Jornal Médico Grande Público

Campanha “Mulheres Como Eu” alerta: Mulheres devem dar prioridade à sua própria saúde
DATA
28/05/2019 15:32:19
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Campanha “Mulheres Como Eu” alerta: Mulheres devem dar prioridade à sua própria saúde

A Sociedade Portuguesa de Ginecologia (SPG) recorda, a propósito do Dia Internacional da Saúde Feminina, assinalado a 28 de maio, a importância da literacia em saúde e lança a campanha “Mulheres Como Eu”.

O objetivo da campanha “Mulheres Como Eu” - #MinhaSaúdeMinhaPrioridade, é sensibilizar a população portuguesa para as doenças do foro ginecológico, às quais todas as mulheres e todos os que as rodeiam devem estar atentos e informados.

“As mulheres desempenham na nossa sociedade um papel muito importante. Tendem a renegar para segundo plano as questões relacionadas com a sua saúde, pois colocam em primeiro lugar o trabalho ou a família, por exemplo. O nosso objetivo é sensibilizar, pela divulgação de informação científica, para a saúde sexual e reprodutiva, pois estão em causa doenças que podem afetar a qualidade de vida social e profissional, ou mesmo a fertilidade das mulheres”, explica a presidente da SPG, Teresa Mascarenhas.

Endometriose, Miomas Uterinos, Pólipos, Hemorragias Uterinas Anormais e Cancro Uterino (cancro do colo do útero e cancro do endométrio) são as cinco patologias em que se centra esta campanha por terem um peso significativo da nossa sociedade e poderem, em alguns casos, comprometer a fertilidade da mulher.

Portugal tem a segunda pior taxa de natalidade da Europa, com 1,36 nascimentos por cada mulher e a campanha “Mulheres Como Eu” pretende ser um contributo na consciencialização para os problemas do sistema reprodutor feminino, com diagnósticos mais atempados e acesso a tratamentos minimamente invasivos em fases precoces, que podem fazer a diferença.

Apoiada pelas Farmácias Portuguesas e pela Medtronic, a campanha “Mulheres Como Eu” contará com informação disponível a todos os utentes das mais de 2.000 farmácias que compõem a rede de farmácias da Associação Nacional das Farmácias.

“Para as Farmácias Portuguesas faz todo o sentido associarmo-nos a esta campanha de divulgação de informação e encorajar as mulheres a valorizarem a sua saúde, fazendo dela uma prioridade e assegurando que conhecem e compreendem sintomas e possíveis soluções. Pela nossa porta entram diariamente milhares de portugueses com quem partilhamos, assim, informação essencial para potenciar o conhecimento”, afirma o diretor-geral das Farmácias Portuguesas, Pedro Ferreira.

Relatório Primavera: verdades e consequências
Editorial
Rui Nogueira
Relatório Primavera: verdades e consequências

“Ó Costa aguenta lá o SNS” foi o pedido de António Arnaut em maio do ano passado, poucos dias antes de nos deixar. Mas o estado da saúde em Portugal está mal ou bem ou vai indo? Está melhor ou pior? O SNS dá as respostas úteis às necessidades de saúde da população? O Relatório de Primavera ajuda a fazer interpretações fundamentadas.

news events box

Mais lidas