Jornal Médico Grande Público

Cirurgião português é nomeado presidente da Associação Internacional de Cirurgia Ambulatória
DATA
29/05/2019 17:00:11
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Cirurgião português é nomeado presidente da Associação Internacional de Cirurgia Ambulatória

O presidente da Associação Portuguesa de Cirurgia Ambulatória (APCA), Carlos Magalhães, é eleito presidente da Associação Internacional de Cirurgia Ambulatória.

A nomeação foi feita durante a reunião do novo Comité Executivo, que decorreu no dia 26 de maio, no Porto.

“Nos próximos anos, a Associação Internacional de Cirurgia Ambulatória pretende reforçar a sua atividade em três vertentes: continuar a difundir a cirurgia ambulatória enquanto solução para o tratamento de um número cada vez mais alargado de doenças; promover a criação de mais unidades que operem neste regime, com um reforço especial para os países africanos; e apostar na permanente investigação e atualização de conhecimentos junto dos profissionais de saúde” refere Carlos Magalhães, cirurgião e presidente da APCA.

Com isto, acrescenta, “vai ser possível assegurar que um número crescente de doentes estarão a beneficiar de todas as formas de tratamento modernas e inovadoras disponíveis nesta especialidade”.

O atual presidente da APCA foi eleito presidente do Comité Executivo da Associação Internacional de Cirurgia Ambulatória para o período de 2021 a 2023, sendo atualmente membro do Comité. A futura direção é também constituída pelo médico anestologista Vicente Vieira, membro da direção da APCA.

A Associação Internacional de Cirurgia Ambulatória é atualmente presidida pela Professora Beverly K. Philip, que cessará funções em 2019, dando lugar a Douglas McWinnie.

Carlos Magalhães é formado em cirurgia geral e especialista em Medicina Desportiva pela Ordem dos Médicos. É ainda diretor do Serviço de Cirurgia Geral de Ambulatório do Centro Hospitalar Universitário do Porto, desde 2016.

A cirurgia em regime de ambulatório tem tido, nos últimos anos, em Portugal, um desenvolvimento positivo, sendo que o principal fator de sucesso tem sido a sua caraterística multidisciplinar, envolvendo diferentes grupos profissionais, assim como a garantia de segurança e de elevados índices de qualidade no tratamento dos nossos doentes.

Relatório Primavera: verdades e consequências
Editorial
Rui Nogueira
Relatório Primavera: verdades e consequências

“Ó Costa aguenta lá o SNS” foi o pedido de António Arnaut em maio do ano passado, poucos dias antes de nos deixar. Mas o estado da saúde em Portugal está mal ou bem ou vai indo? Está melhor ou pior? O SNS dá as respostas úteis às necessidades de saúde da população? O Relatório de Primavera ajuda a fazer interpretações fundamentadas.

news events box

Mais lidas