Urgências de Ginecologia e Obstetrícia da zona de Lisboa
DATA
05/07/2019 11:36:14
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Urgências de Ginecologia e Obstetrícia da zona de Lisboa

Relativamente ao funcionamento das Urgências de Ginecologia e Obstetrícia da Grande Lisboa no período de 15 de julho a 30 de setembro de 2019, a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) reitera e esclarece que:

“Os períodos de férias obrigam sempre a um planeamento dos recursos humanos de forma a garantir que a resposta dos serviços de saúde não sofre perturbação.

No decorrer desse planeamento obrigatório, a ARSLVT, em conjunto com os conselhos de administração e direções de serviços do Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte, Centro Hospitalar Universitário Lisboa Central, Centro Hospitalar Lisboa Ocidental, Hospital Prof. Dr. Fernando da Fonseca e Hospital Garcia de Orta, tem vindo a estudar as melhores soluções para, também no Verão de 2019, garantir o normal funcionamento de todas urgências das maternidades da zona da Grande Lisboa com segurança e qualidade.

Apesar de, no final de 2018, existirem mais 9% de médicos especialistas em Ginecologia/Obstetrícia no SNS do que no final de 2015 (10% na região de Lisboa e Vale do Tejo), a avaliação inicial previa dificuldades na reorganização do trabalho, decorrentes do envelhecimento do quadro médico associado à dispensa legal de realização de trabalho noturno a partir dos 50 anos e de realização de trabalho de urgência a partir dos 55 anos.

Neste contexto, foram equacionadas várias opções.

Entretanto, a avaliação das disponibilidades das equipas destes estabelecimentos, cujo esforço se agradece, demonstrou ser possível manter-se a solução de anos transatos, isto é, o funcionamento da referenciação para qualquer um dos serviços de urgência ginecológica e obstétrica, mediante o reforço da contratação de serviços médicos não só nas especialidades de Ginecologia/Obstetrícia, mas também nas de Pediatria e Anestesiologia. 

Adicionalmente, as direções clínicas e direções de serviço de urgência das cinco unidades de saúde vão articular semanalmente a necessária afetação de recursos, para que, em cada momento, se possam antecipar eventuais fragilidades decorrentes deste período.

Recorda-se que está a decorrer a habitual 1ª época do concurso de colocação de recém-especialistas e que as equipas destes cinco hospitais têm em preenchimento um conjunto de vagas, nomeadamente: 6 ginecologistas/obstetras (no total de 11 vagas abertas na Região), 14 pediatras (no total de 18 vagas abertas na ARSLVT) e 14 anestesiologistas (no total de 20 vagas abertas na ARSLVT).”

Serviço Nacional de Saúde – 40 Anos
Editorial | Jornal Médico
Serviço Nacional de Saúde – 40 Anos

Reler as origens do Serviço Nacional de Saúde ajuda a valorizar o presente e pode ser uma forma de aprender para investir no futuro com melhor fundamentação

Mais lidas