Jornal Médico Grande Público

COSI Portugal 2019: Excesso de peso e Obesidade infantil continuam em tendência decrescente
DATA
10/07/2019 15:52:13
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


COSI Portugal 2019: Excesso de peso e Obesidade infantil continuam em tendência decrescente

Entre 2008 (1ª ronda) e 2019 (5ª ronda), todas as regiões portuguesas mostraram um decréscimo na prevalência de excesso de peso (incluindo obesidade). Este decréscimo foi mais acentuado na Região dos Açores, com uma diminuição de 10,7% (46,6% em 2008 vs 35,9% em 2019), e na região do Centro (38,1% em 2008 vs 28,9% em 2019), com uma diminuição na prevalência de 9,2% nos últimos 11 anos.

Em relação apenas ao estudo COSI Portugal 2019, observou-se que a Região do Algarve foi a que apresentou menor prevalência de excesso de peso infantil (21,8%) e os Açores a que apresentou a maior prevalência (35,9%). A Região do Alentejo foi a que apresentou menor prevalência de obesidade infantil (9,7%).

Ainda de acordo com os dados preliminares deste estudo, apresentados durante o Simpósio “CIOI – Obesidade Infantil”, que se encontra a decorrer, em Lisboa, no auditório do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, em 2018/2019, a prevalência de baixo peso foi de 1,3%, a prevalência de excesso de peso (pré-obesidade + obesidade) foi de 29,6% e destes 12% apresentavam obesidade infantil.

Coordenado por Ana Rito, investigadora do Departamento de Alimentação e Nutrição do Instituto Ricardo Jorge, o COSI Portugal 2019 revela também que a prevalência de baixo peso foi maior nos rapazes (1,6%) comparativamente com as raparigas (0,9%). Igualmente o excesso de peso e obesidade infantil foi mais prevalente nos rapazes (29,6% - 13,4%) do que nas raparigas (29,5% - 10,6%), respetivamente.

À semelhança das rondas anteriores, verificou-se que a prevalência de obesidade infantil aumenta com a idade. Em 2018/2019, 15,3% de crianças de 8 anos tinham obesidade, incluindo 5,4% de obesidade severa, comparativamente com as crianças de 6 anos que apresentaram 10,8% de obesidade, incluindo 2,7% de obesidade severa

 Para Fernando de Almeida, presidente do Conselho Diretivo do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, os dados do COSI Portugal 2019 mostram que “Portugal cumpre assim com o desafio lançado na Carta Europeia da Luta contra a Obesidade, assinada em 2006 na Conferência Interministerial da OMS, já que não só conseguiu estagnar o crescimento epidémico desta doença, como tem vindo a mostrar uma consistente inversão da prevalência da mesma nos últimos 11 anos”.

Na 5ª ronda COSI Portugal, realizada durante o ano letivo 2018/2019, foram propostas 8844 crianças de escolas do 1º ciclo do Ensino Básico das regiões de Portugal, tendo sido avaliadas 7210 crianças (48,9% raparigas e 51,1% rapazes), entre os 6 e os 8 anos de idade, de 228 escolas participantes. Esta amostra é a maior de todas as fases decorridas até ao momento (2008, n=3765; 2010, n=4064; 2013, n=5935; 2016, n=6745).

 A metodologia aplicada seguiu o protocolo comum (COSI/OMS Europa) a todos os países participantes, com as crianças a serem avaliadas através de parâmetros antropométricos (peso e estatura) por examinadores que receberam a mesma formação de uniformização e qualidade de procedimentos.

Relatório Primavera: verdades e consequências
Editorial
Rui Nogueira
Relatório Primavera: verdades e consequências

“Ó Costa aguenta lá o SNS” foi o pedido de António Arnaut em maio do ano passado, poucos dias antes de nos deixar. Mas o estado da saúde em Portugal está mal ou bem ou vai indo? Está melhor ou pior? O SNS dá as respostas úteis às necessidades de saúde da população? O Relatório de Primavera ajuda a fazer interpretações fundamentadas.

news events box

Mais lidas