Jornal Médico Grande Público

Investigadoras criam ferramenta para detetar rapidamente casos complexos de doentes renais
DATA
19/07/2019 11:02:01
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Investigadoras criam ferramenta para detetar rapidamente casos complexos de doentes renais

Uma equipa de assistentes sociais e investigadoras desenvolveram uma ferramenta inovadora que permite detetar situações de maior complexidade social em doentes renais crónicos e intervir mais rapidamente, minimizando situações de maior risco psicossocial.

“Metade das pessoas que entram em diálise a nível nacional tem um índice de complexidade média e alta” que exige “além da abordagem clínica, uma abordagem psicossocial que faz o suporte dos doentes e famílias e agiliza os recursos e respostas sociais necessárias à sua subsistência com impacto direto no prognóstico clínico e na sua qualidade de vida, disse à agência Lusa a assistente social e coordenadora do trabalho, Marta Olim.

A equipa fez uma avaliação prévia em 3.200 doentes do país que revelou que 41% tinha uma complexidade social média e 10% elevada.

“Estas pessoas estão num contexto de fragilidade enorme não só pela sua doença, mas também porque estão, do ponto de vista psicossocial, frequentemente muito instáveis vivendo em contextos de múltiplas carências e perdas”, exigindo uma atenção e um suporte muito mais abrangente e específico a nível médico, de enfermagem, da nutrição e da farmácia para fazer face a este risco.

Traçando o perfil destas pessoas, Marta Olim disse que são “menos informadas, com pouca diferenciação, com hábitos de vida pouco saudáveis e menos acesso a cuidados de saúde”, ficando mais sujeitas a entrar numa situação de fragilidade psicossocial em contexto de doença.

Para identificar mais rapidamente estes casos, a equipa de assistentes sociais, em parceria com as investigadoras Sónia Guadalupe e Fernanda Daniel do Instituto Miguel Torga de Coimbra, desenvolveram a “matriz de complexidade associada ao processo de intervenção social com doentes renais crónicos” que foi testada e avaliada

“Esta matriz revelou ser um instrumento importante para identificar a complexidade associada ao processo de intervenção social na nefrologia, constituindo um contributo muito relevante para a gestão de informação dos assistentes sociais e também para a equipa de saúde”, com 15 diferentes indicadores que garantem uma avaliação das situações problema de uma forma profunda e abrangente.

Segundo Marta Olim, esta característica multidimensional permite uma aproximação à complexidade das situações que resultam do impacto da doença renal crónica e do seu tratamento na vida do doente, mas também da família.

“Esta ferramenta vai ajudar a detetar situações prioritárias para agirmos o mais rapidamente possível em conjunto com outros técnicos da equipa interdisciplinar para as pessoas terem um prognóstico diferente e por isso mais favorável, vincou Marta Olim.

Permite também agir em conformidade com a situação do doente, satisfazendo as suas necessidades, agilizando os recursos e dando-lhes o suporte adequado para terem “uma qualidade de vida diferente e se adaptarem o melhor possível a esta nova condição de vida que não é fácil”.

Por outro lado, é “um instrumento inovador” porque em serviço social não é frequente utilizarem-se instrumentos desse tipo padronizado que classificam determinados tipos de situações.

“Nós entendemos que estar a estandardizar determinadas situações pode levar a ter uma visão pouco refletida e até redutora da realidade por isso estes instrumentos até são escassos ao nível do serviço social”, adiantou.

Mas esta matriz vai permitir traçar perfis sociográficos de acordo com o meio onde os doentes vivem.

Além de detetar situações de risco, a matriz vai permitir perceber a sua evolução ao longo do tempo, sobretudo depois de se intervir, percebendo o impacto dessa mesma intervenção.

Relatório Primavera: verdades e consequências
Editorial
Rui Nogueira
Relatório Primavera: verdades e consequências

“Ó Costa aguenta lá o SNS” foi o pedido de António Arnaut em maio do ano passado, poucos dias antes de nos deixar. Mas o estado da saúde em Portugal está mal ou bem ou vai indo? Está melhor ou pior? O SNS dá as respostas úteis às necessidades de saúde da população? O Relatório de Primavera ajuda a fazer interpretações fundamentadas.

news events box

Mais lidas