DGS E Ordem dos Farmacêuticos promovem educação para a saúde
DATA
29/07/2019 16:24:11
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


DGS E Ordem dos Farmacêuticos promovem educação para a saúde

A Direção-Geral da Saúde (DGS) e a Ordem dos Farmacêuticos estabeleceram uma parceria para promover uma melhor educação para a saúde, recorrendo a cursos online interativos. O primeiro curso já se encontra disponível e foca-se na temática do Uso Seguro e Responsável do Medicamento. Qual a importância de verificar a validade de um medicamento? Qual a diferença entre um medicamento de marca e um genérico? São algumas das questões que pretendem ser respondidas.

A parceria envolve a realização de seis cursos, em formato MOOC - Massive Open Online Course (Curso Online Massivo e Aberto), integrados no “Projeto NAU - Ensino e Formação à Distância da Administração Pública para Grandes Audiências”, que contam com o apoio institucional da Ordem dos Médicos e da Ordem dos Enfermeiros.

“Uso Seguro e Responsável do Medicamento”, “Higiene das Mãos na Prevenção de Infeções”, “Prevenção de Úlceras por Pressão”, “Prevenção de Quedas”; “Segurança Cirúrgica” e “Prevenção de Infeções e Resistência aos Antibióticos” são os seis cursos preparados para esta campanha de educação para a saúde. 

Mais de 50% dos portugueses não toma corretamente a sua medicação. Facto esse que limita o propósito final dos medicamentos - a melhoria da qualidade de vida. O primeiro curso online, apresentado pela atriz Sofia Grilo, tem como objetivo não só estimular uma melhor compreensão sobre o medicamento, mas também promover a adoção de comportamentos mais responsáveis e seguros na utilização de medicamentos.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas