Centro de Mama do CHUSJ recebe renovação de certificação clínica europeia
DATA
26/09/2019 11:10:40
AUTOR
Jornal Médico
Centro de Mama do CHUSJ recebe renovação de certificação clínica europeia

O Centro de Mama do Centro Hospitalar Universitário de São João (CHUSJ) recebeu a renovação do Certificado EUSOMA - Sociedade Europeia de Especialistas em Cancro da Mama pelo reconhecimento como centro de excelência no estudo e tratamento da doença oncológica mamária. É o primeiro e único Centro de Mama do Serviço Nacional de Saúde (SNS) portador desta distinção de qualidade.

De acordo com José Luís Fougo, oncologista cirúrgico e coordenador do Centro de Mama, “a renovação desta certificação é o reconhecimento do trabalho de excelência no campo da oncologia mamária, prestado por uma equipa de trabalho multidisciplinar. A capacidade de resposta tem aumentado significativamente, atingindo tempos médios de resposta exemplares no panorama nacional”.

Em termos de produção, no primeiro semestre de 2019 realizaram-se 6 621 consultas (um aumento de 8 % face ao período homólogo de 2018) e 447 cirurgias.

A acessibilidade é considerada um valor relevante nesta área, pelo que é de realçar o tempo de espera médio para uma consulta prioritária, que é de cerca de 11 dias, e o tempo de espera médio para uma cirurgia prioritária, que é de cerca de 12 dias (o hospital do SNS com menor tempo de espera neste indicador).

Em 2018, o Centro de Mama realizou 11 802 consultas, mais 9 % que em 2017, e o número de cirurgias (813) aumentou 21 % face ao mesmo ano. 

No Centro de Mama, criado em 2008, trabalham diariamente médicos (cirurgiões gerais, ginecologistas, radiologistas, geneticistas e psiquiatras), psicólogos clínicos, enfermeiras especializadas, técnicos de radiologia e outros elementos de apoio administrativo e logístico.

Crónicas de uma pandemia anunciada
Editorial | Jornal Médico
Crónicas de uma pandemia anunciada

Era 11 de março de 2020, quando a Organização Mundial de Saúde declarou o estado de Pandemia por COVID-19 e a organização dos serviços saúde, como conhecíamos até então, mudou. Reorganizaram-se serviços, redefiniram-se prioridades, com um fim comum: combater o SARS-CoV-2 e evitar o colapso do Serviço Nacional de Saúde, que, sem pandemia, já vivia em constante sobrecarga.

Mais lidas