“Movimento para o Futuro” alerta para a importância do movimento como forma de prevenção e tratamento da Dor
DATA
26/09/2019 16:11:54
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



“Movimento para o Futuro” alerta para a importância do movimento como forma de prevenção e tratamento da Dor

“Movimento para o Futuro” é o mote da campanha de sensibilização lançada pela APED – Associação Portuguesa para o Estudo da Dor, que arranca esta semana e estará presente em várias cidades do País, em formato de mupis, com o objetivo de sensibilizar a população para a adoção de comportamentos saudáveis com vista à proteção do sistema músculo-esquelético, prevenção e tratamento de estados de dor ligeira a moderada, e incentivar o movimento como forma de prevenção e tratamento desses estados.

A campanha, de âmbito nacional, conta com o apoio de várias associações de doentes, entre elas a Liga Portuguesa contra as Doenças Reumáticas (LPCDR), Associação de Doentes com Dor Crónica dos Açores (ADDCA), Força 3P, União dos Doentes Fibromialgicos de Viseu, e sociedades científicas como a Associação de Enfermagem Oncológica Portuguesa (AEOP) e a Sociedade Portuguesa de Anestesiologia (SPA).

Segundo Ana Pedro, presidente da APED, “Milhões de pessoas em todo o mundo sofrem diariamente com dor e o ponto de partida para o seu controlo eficaz passa pela prevenção. Adotar um estilo de vida saudável, fazer uma caminhada, pode fazer toda a diferença. A manutenção da mobilidade desempenha um papel fundamental e cada um de nós pode envolver-se no seu próprio tratamento.”

A campanha “Movimento para o Futuro” foi desenvolvida em parceria com a Escola de Tecnologias Inovação e Criação (ETIC), tendo sido a imagem gráfica da campanha criada pelo aluno Daniel Fernandes do curso de Design de Comunicação. A proposta do designer, pretende ilustrar a analogia entre a capacidade inata que o ser humano tem para movimentar-se e a imobilidade das estátuas. A campanha recorre a imagens de estátuas características de várias cidades portuguesas, podendo ser adaptada a qualquer região e cultura.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas