Prescrição Social: potenciar a atuação do Serviço Social na Saúde
DATA
04/11/2019 15:17:35
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Prescrição Social: potenciar a atuação do Serviço Social na Saúde

A Prescrição Social permite ligar os utentes dos cuidados de saúde primários com os recursos de apoio existentes na comunidade. Facilitar a resposta aos problemas e necessidades sociais dos utentes, com o objetivo de melhorar a sua saúde e bem-estar e otimizar a utilização dos serviços de saúde do SNS, são alguns dos objetivos. A USF da Baixa em Lisboa deu início ao projeto em setembro de 2018. Em abril de 2019 a USF Almirante, no Intendente, juntou-se ao projeto para dar resposta às necessidades sociais.

Um plano de intervenção personalizado foi o que se criou na USF da Baixa, um trabalho conjunto entre o profissional de saúde, a assistente social e os parceiros sociais presentes na comunidade. Tendo em conta o primeiro relatório semestral da iniciativa, foram referenciados 130 utentes – o mais novo com 17 anos e o mais velho com 95 – a maior parte do sexo feminino e de 13 nacionalidades diferentes.

Para Cristiano Figueiredo, especialista em Medicina Geral e Familiar e um dos impulsionadores do projeto, é muito importante “dar mais visibilidade ao Serviço Social do Serviço Nacional de Saúde (SNS), para que exista uma maior facilidade de contacto e para que o tempo de consulta dedicado aos problemas socias seja investido na regularização dos mesmos”.

Potenciar a atuação do Serviço Social na saúde, por um lado, sensibilizando os profissionais de saúde para o papel do assistente social na resolução de problemas sociais potencialmente nocivos para a saúde dos utentes e, por outro lado, promover a criação de parcerias com o sector comunitário, é a resposta ao crescente problema da desigualdade em saúde.

Como funciona

 

A prescrição social tem início no consultório médico da USF, após avaliação por parte do médico de família, psicólogo ou enfermeiro de família, o utente pode ser referenciado na plataforma na intranet criada para o efeito. Nesta plataforma, o profissional de saúde quando se depara com a presença de um problema social, tem a oportunidade de reportar esse problema e encaminhar o utente para a prescrição social.

Depois de reportado o problema, entra em jogo o trabalho de assistência social, também fornecido na mesma USF e complementado com os parceiros sociais – que promovem a resolução do problema, facilitando a chegada do utente ao que necessita.

 

Ter saúde não é só não estar doente

São vários os motivos de referenciação por parte do profissional de saúde, contudo após o relatório semestral, é possível concluir que o isolamento social é a maior causa de prescrição.

Não menos importante é o apoio à imigração e integração social, o exercício físico, problemas de saúde mental, a dificuldade de acesso a benefícios sociais e o emprego/desemprego.

Todos os utentes objeto de referenciação terão sempre a oportunidade de acesso aos parceiros sociais, que podem ser a Câmara Municipal, as IPSS, as ONG, entre outras entidades.

Outra grande conclusão do relatório semestral foi a de que 36,2% dos utentes da USF Almirante são “utilizadores em demasia” da USF, ou seja, têm um elevado índice de procura deste serviço de saúde.

Para Cristiano Figueiredo é importante referir que “existem problemas de saúde que são agravados ou causados por problemas sociais e essa ligação tem de ser reconhecida”.

As questões sociais são muito importantes para a saúde, ter saúde não passa só por não estar doente, o bem-estar, qualidade de vida e integração sociais são fatores muito importantes.

Screen Shot 2019 11 04 at 14.57.10 copy

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas