Ana Rita Cavaco reeleita Bastonária Ordem dos Enfermeiros
DATA
07/11/2019 10:18:44
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Ana Rita Cavaco reeleita Bastonária Ordem dos Enfermeiros

Ana Rita Cavaco foi reeleita bastonária da Ordem dos Enfermeiros, com 68,3% dos votos, e considerou que os enfermeiros mostraram que “são eles que mandam na sua casa”, anunciou o órgão em comunicado.

Segundo a Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco foi reeleita com “a maior votação de sempre” em atos eleitorais do órgão, “triplicando o número de votantes em relação às últimas eleições”, em 2015.

“Esta é uma vitória dos enfermeiros. Com esta votação, os enfermeiros quiseram mostrar que são eles que mandam na sua casa e que não fogem às suas responsabilidades”, disse Ana Rita Cavaco, citada no comunicado enviado à agência Lusa.

A Ordem dos Enfermeiros explica que dos 70.588 enfermeiros aptos a votar, exerceram o voto 27.692, dos quais 18.930 escolheram a lista de Ana Rita Cavaco.

A atual bastonária, agora reeleita, tinha conseguido 4.509 votos nas eleições de 2015.

“É por eles [enfermeiros] e pelo país que continuamos aqui. Para trás nunca mais”, afirmou Ana Rita Cavaco.

A Ordem dos Enfermeiros realça ainda que os resultados mostram uma participação de 39% dos enfermeiros no ato eleitoral, referindo que é a “maior de sempre”.

Segundo os cadernos eleitorais publicados no ‘site’ da Ordem dos Enfermeiros, existiam quatro listas que apresentaram candidaturas, duas com candidaturas a bastonários e às várias secções regionais, enquanto outras duas são apenas dirigidas a órgãos regionais, uma da Região Autónoma dos Açores e outra da Madeira.

A atual bastonária, Ana Rita Cavaco, recandidatou-se ao cargo, encabeçando a lista A, com o lema “Orgulhosamente com os Enfermeiros”.

Pela lista B, com o lema “Enfermagem – A Causa Maior”, foi candidato a bastonário, o enfermeiro, Belmiro Pereira Rocha.

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas