Associação de Médicos insatisfeita por 1.088 candidatos a especialização não terem colocação
DATA
07/11/2019 10:24:03
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Associação de Médicos insatisfeita por 1.088 candidatos a especialização não terem colocação

A Associação de Médicos pela Formação Especializada queixou-se ontem de ainda haver 1.088 candidatos sem colocação nas vagas de especialização – 550 desistiram e 538 não tiveram hipótese de escolha.

Este ano, foram a concurso 1759 formados portugueses pela primeira vez, 93 especialistas na procura de mudar de especialidade e 790 médicos sem especialidade. O último colocado obteve uma nota de 57% na Prova Nacional de Seriação.

A procura está acima da oferta: segundo o mapa oficial (de 4 de outubro) de capacidades formativas para novos médicos especialistas, havia 1.297 vagas para especialidades hospitalares, 491 para medicina geral e familiar, 36 para saúde pública e seis para medicina legal.

De acordo com os dados da associação, dentro dos indivíduos formados pelas escolas médicas portuguesas, um em cada quatro não obteve colocação na primeira candidatura. A percentagem aumenta para 63% quando se observa o caso dos formados no estrangeiro.

O aumento do número de vagas para o internato no próximo ano (1.830), com o Centro Hospitalar Lisboa Norte a ter novamente formação em otorrinolaringologia e pneumologia, não foi suficiente.

Face a este panorama, a associação afirmou na sua página de Facebook que “são necessárias medidas urgentes para enfrentar esta situação. Não há tempo para mais uma legislatura sem soluções”.

Doença Venosa

Isolamento social com apoio de proximidade e em segurança
Editorial | Jornal Médico
Isolamento social com apoio de proximidade e em segurança

O futuro tem hoje 5 dias! Inacreditável! Quem é que tem agenda para mais de 5 dias? A pandemia COVID-19 alterou profundamente a vida quotidiana, a prestação de cuidados de saúde e a organização dos serviços de saúde está totalmente alterada. O isolamento social é a orientação primordial de confrontação da pandemia. Mas é necessário promover o apoio de proximidade essencial e aprender a fazê-lo em segurança.

Mais lidas