DGS lança “Plataforma de Mortalidade”
DATA
11/11/2019 11:25:31
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


DGS lança “Plataforma de Mortalidade”

A Direção-Geral da Saúde lançou na passada quinta-feira a “Plataforma de Mortalidade” com o objetivo de centralizar informação sobre os óbitos em Portugal.

Integrando dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) e do Sistema de Informação dos Certificados de óbito (SICO), esta ferramenta permite cruzar vários indicadores para perceber quais são as causas específicas de morte ocorrentes no país.

A DGS afirma que, com esta plataforma, será possível responder a questões como, por exemplo, as principais causas de morte em Portugal e a variabilidade de taxa de mortalidade neonatal consoante a duração da gravidez ou o peso à nascença.

A “Plataforma de Mortalidade”, com os últimos dados de 2017, já possibilitou observar que entre as causas para a mortalidade prematura (grupo de indivíduos abaixo dos 70 anos) estão as doenças oncológicas, seguidas por doenças ou problemas do aparelho circulatório e ainda pelas da área de saúde mental, quer por consumo excessivo de álcool, quer por suicídio. Foram mais de 23 mil mortes prematuras, cerca de 20% do total de mortalidade, e afetaram mais homens do que mulheres.

Com o intuito de reunir mais informação válida e de fácil consulta para colmatar as necessidades de conhecimento para a literacia em saúde, a DGS pretende contribuir ainda com outras ferramentas similares para outras áreas para além da mortalidade: Plano Nacional de Saúde, Programa Nacional das Doenças Respiratórias, Transmissíveis, Cardiovasculares, da Diabetes, Saúde Mental, entre outros.

A plataforma é acessível a todos e está disponível aqui.

DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Depois de três meses de confinamento é necessário aceitarmos a prudência de DES”confinar sem DISconfinar. Não vamos querer “morrer na praia”! As aprendizagens da pandemia Covid-19 são uma ótima oportunidade para acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência e o estado de calamidade ensinaram-nos muito! É necessário desconfinar o centro de saúde com uma nova visão e reinventar o conceito com unidades de saúde aprendentes e inovadoras.

Mais lidas