Cerca de 670 mil seringas trocadas no primeiro semestre do ano
DATA
12/11/2019 10:24:45
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Cerca de 670 mil seringas trocadas no primeiro semestre do ano

Mais de 670 mil seringas foram distribuídas nos primeiros seis meses do ano, um aumento de 58% relativamente ao período homólogo de 2018, segundo o relatório do programa Troca de Seringas.

No âmbito do programa “Troca de Seringas – Diz não a uma Seringa em segunda mão”, foram também distribuídos 230 mil preservativos, menos 26% que em igual período do ano passado, segundo o relatório relativo ao primeiro semestre de 2019, elaborado pelos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS).

O relatório, divulgado hoje no Portal do Serviço Nacional de Saúde, registou uma diminuição de 3% do número das seringas trocadas pelas Unidades dos Cuidados de Saúde Primários e de 11% no Posto Móvel, mas um aumento de 86% no número de seringas distribuídas pelas Equipas de Redução de Riscos e Minimização de Danos.

Registou-se ainda um aumento de 7% no número de seringas trocadas pelas farmácias, comparativamente com o mesmo período do ano passado, refere o relatório semestral que demonstra a evolução do número de seringas distribuídas/trocadas entre janeiro e junho de 2019.

“Este programa, que teve início em 1993 sob a alçada da Direção-Geral da Saúde (DGS) e do Programa Nacional para a Infeção VIH/SIDA, representa a eficácia das medidas e das estratégias adotadas, nomeadamente a redução do número de casos diagnosticados de infeção por VIH, no grupo das pessoas que utilizam drogas injetáveis. Com o auxílio deste programa foi possível atingir o valor mínimo histórico de 1,8%”, afirma o Ministério da Saúde.

O programa Troca de Seringas tem como objetivo evitar a partilha de agulhas, seringas e outros materiais de consumo, promover comportamentos sexuais seguros, através da utilização consistente do preservativo masculino, diminuir o tempo de retenção de seringas usadas pelos utilizadores e evitar o abandono de seringas e agulhas utilizadas na via pública.

DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Depois de três meses de confinamento é necessário aceitarmos a prudência de DES”confinar sem DISconfinar. Não vamos querer “morrer na praia”! As aprendizagens da pandemia Covid-19 são uma ótima oportunidade para acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência e o estado de calamidade ensinaram-nos muito! É necessário desconfinar o centro de saúde com uma nova visão e reinventar o conceito com unidades de saúde aprendentes e inovadoras.

Mais lidas