Governo da Madeira injeta 75 milhões de euros no Serviço de Saúde Regional
DATA
12/11/2019 17:55:23
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Governo da Madeira injeta 75 milhões de euros no Serviço de Saúde Regional

De acordo com uma resolução publicada hoje no Jornal Oficial, o Conselho de Governo da Madeira autorizou uma nova injeção de capital no Serviço Regional de Saúde (SESARAM) no montante de 75 milhões de euros.

No seguimento do financiamento contratado, em novembro de 2004, com o banco ABN AMRO Bank N.V., London Branch, atual KOFIBA - Kommunalfinanzierungsbank GmbH, no valor de 75 milhões, cuja data de maturidade é 29 de novembro de 2019, o objetivo desta resolução é “garantir ao SESARAM o necessário reforço, tendo em vista o compromisso assumido de amortizar o empréstimo” e atingir a “redução da dívida”.

As palavras são do vice-presidente do Governo Regional, Pedro Calado, em declarações à Lusa, que refere a regularidade destas amortizações para “reforçar a solvabilidade do SESARAM e, em concreto, garantir o pagamento” do empréstimo. Para o executivo este trata-se de “um ato urgente e inadiável, que assume um verdadeiro caráter de interesse público”.

Atualmente, o património líquido da entidade é negativo, pelo se impõe a promoção de entrada de capital para cobertura de prejuízos, em consonância com o parecer do respetivo Conselho Fiscal.

Esta medida do Conselho de Governo da Madeira surge numa altura em que o secretário regional da Saúde da Madeira, Pedro Ramos, vem afirmar, no âmbito da discussão do programa de Governo 2019-2023, hoje na Assembleia Legislativa, que o setor continuará a ser uma prioridade durante a legislatura que se segue, numa perspetiva de “consolidação do Serviço Regional de Saúde”. O investimento “será uma realidade”, bem como a aposta no acesso a cuidados de saúde e a tratamentos, na retenção de profissionais de saúde e na promoção de investigação, porque, nas palavras do secretário, a saúde é “um direito humano” e de “cidadania”.

DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Depois de três meses de confinamento é necessário aceitarmos a prudência de DES”confinar sem DISconfinar. Não vamos querer “morrer na praia”! As aprendizagens da pandemia Covid-19 são uma ótima oportunidade para acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência e o estado de calamidade ensinaram-nos muito! É necessário desconfinar o centro de saúde com uma nova visão e reinventar o conceito com unidades de saúde aprendentes e inovadoras.

Mais lidas