Sociedade Portuguesa de Cardiologia reforça recomendações europeias de reduzir níveis de colesterol

Segundo os dados de um estudo do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, em Portugal, 55% da população com idades compreendidas entre os 18 e os 79 anos apresenta dois ou mais fatores de risco de doença cardiovascular, sobretudo excesso de peso ou obesidade, hipertensão arterial, colesterol elevado, hábitos tabágicos e diabetes.

Desse modo, a Sociedade Portuguesa de Cardiologia (SPC) vem reforçar o alerta para o perigo dos comportamentos de risco, apoiando o documento produzido pela Sociedade Europeia de Cardiologia (SEC) em agosto na defesa de uma prevenção destas patologias mais eficiente.

Nesse documento da SEC, onde estão resumidos os conhecimentos mais recentes relacionados com o tratamento do colesterol elevado – um dos principais fatores de risco de doença cardiovascular –, foram lançadas novas recomendações para reduzir as metas de níveis de colesterol. Conscientes de que os elevados níveis de colesterol são um fator de risco modificável, a sociedade europeia atenta para a importância de os reduzir de acordo com o risco cardiovascular global de cada pessoa e do valor absoluto dos níveis de colesterol no sangue.

Também com o intuito de facilitar uma prevenção mais eficaz destas patologias cardiovasculares, nomeadamente em indivíduos já com diagnóstico conhecido nesse âmbito, a SPC recomenda a adoção de um estilo de vida saudável e a utilização de novos medicamentos em associação às estatinas nos casos em que os níveis de colesterol não estão dentro dos valores pretendidos.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas