CUF parceira em investigação premiada no cancro da mama
DATA
15/11/2019 11:34:25
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


CUF parceira em investigação premiada no cancro da mama

O Prémio Pfizer 2019 - investigação clínica, no valor total de 50 mil euros, foi atribuído a uma investigação que identificou um marcador preditivo de resposta à Quimioterapia Neoadjuvante (QNA) em mulheres com cancro da mama.

Esta descoberta vem apoiar o processo de decisão terapêutica, dando maior segurança na escolha entre o tratamento convencional por QNA ou a necessidade de direcionar, prontamente, para um tratamento alternativo e assim conseguir uma resposta mais adequado ao doente.

A coordenação da investigação esteve a cargo de Guadalupe Cabral, do Centro de Estudos de Doenças Crónicas (CEDOC) da NOVA Medical School | Faculdade de Ciências Médicas da Universidade NOVA de Lisboa, e da equipa de investigadores fizeram parte, entre outros investigadores do CEDOC, Paula Borralho, Coordenadora de Anatomia Patológica na CUF e Sofia Braga, Coordenadora Científica da CUF Instituto de Oncologia.

Esta parceria com o Instituto CUF de Oncologia resulta de uma colaboração no âmbito do TagusTANK- um consórcio da José de Mello Saúde/CUF com a Universidade NOVA de Lisboa.

Paula Borralho, da equipa de investigadores, explica que o resultado desta investigação garante maior precisão na decisão terapêutica: “Dado o cancro da mama ser uma das principais causas de morte por cancro na população feminina e existirem muitas doentes que não respondem positivamente ao tratamento por Quimioterapia Neoadjuvante, urge a necessidade de identificar marcadores que apoiem a escolha da terapêutica que terá maior probabilidade de sucesso”.

Para esta investigação contribuíram, ainda, vários profissionais da CUF, nomeadamente especialistas em Imagiologia e técnicos de Anatomia Patológica, imprescindíveis para as colheitas de amostras e análise de dados, elementos essenciais para o sucesso desta investigação.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas