×

Alerta

JUser: :_load: Não foi possível carregar o utilizador com o ID: 34880
Associação de Administradores Hospitalares quer plano de ação na área de medicina de precisão
DATA
19/11/2019 10:30:41
AUTOR
ETIQUETAS


Associação de Administradores Hospitalares quer plano de ação na área de medicina de precisão

O futuro da medicina de precisão em Portugal será alvo de discussão no próximo dia 11 de dezembro na Ordem dos Médicos, em Lisboa. A apresentação pública de uma agenda estratégica é promovida pela Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares (APAH), com o apoio institucional da Ordem dos Médicos e o apoio técnico da EY.

A medicina de precisão é mais personalizada e direcionada: tem em conta aspetos de cada indivíduo – variabilidade genética, ambiente, estilo de vida – e utiliza novos mecanismos de diagnóstico, prevenção e tratamento de doenças apoiados na evolução tecnológica, permitindo melhorias exponenciais nos resultados obtidos.

Por considerar que o futuro da medicina passa pela adoção de uma abordagem de precisão, a APAH pretende, com esta iniciativa, criar uma maior consciencialização. Para isso, tem como objetivos compilar a pesquisa na área da medicina de precisão, promover o consenso entre os principais intervenientes para a definição de uma agenda futura para esta área e desenhar estratégias para implementar esse plano de ação. Procurando assumir uma condução ativa, a associação tenciona ainda investir em projetos de investigação e desenvolvimento que apoiem a implementação de iniciativas e projetos piloto.

O evento conta com a participação de mais de 60 personalidade nacionais na área da saúde e de I&D, desde prestadores de cuidados de saúde públicos e privados, profissionais do setor de diagnósticos, empresas farmacêuticas, meios académicos, ordens profissionais e sociedades científicas, até associações de doentes.

Crónicas de uma pandemia anunciada
Editorial | Jornal Médico
Crónicas de uma pandemia anunciada

Era 11 de março de 2020, quando a Organização Mundial de Saúde declarou o estado de Pandemia por COVID-19 e a organização dos serviços saúde, como conhecíamos até então, mudou. Reorganizaram-se serviços, redefiniram-se prioridades, com um fim comum: combater o SARS-CoV-2 e evitar o colapso do Serviço Nacional de Saúde, que, sem pandemia, já vivia em constante sobrecarga.

Mais lidas