Associação para o Estudo da Anemia alerta para a carga da doença nos adolescentes
DATA
20/11/2019 14:53:12
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Associação para o Estudo da Anemia alerta para a carga da doença nos adolescentes

A Associação Portuguesa para o Estudo da Anemia alertou hoje para o problema da anemia nos adolescentes, cuja dimensão quer identificar através de um estudo epidemiológico como o que realizou para determinar a prevalência da doença em adultos.

Segundo declarações à agência Lusa, o presidente do Anemia Working Group Portugal – Associação Portuguesa para o Estudo da Anemia, António Robalo Nunes, explica que “O primeiro estudo epidemiológico mostrou que tínhamos muito mais anemia do que aquela que era previsível, segundo as previsões da Organização Mundial da Saúde”, atingindo um em cada cinco adultos.

Atualmente a preocupação é perceber o que se passa antes de ser adulto, disse o médico imuno-hemoterapeuta. O Anemia Working Group Portugal, constituído por médicos de várias especialidades, avisa que as mudanças nos hábitos alimentares resultantes da influência dos amigos e a necessidade de autoafirmação são os fatores sociais e comportamentais que originam na grande maioria dos casos a carência em ferro dos adolescentes.

Apesar de haver poucos dados disponíveis sobre a prevalência da deficiência em ferro nos adolescentes, o pediatra Lino Rosado refere que “as estatísticas mostram taxas de prevalência de 9% em raparigas dos 12 aos 15 anos e de 16% em raparigas dos 16 aos 19 anos”.

A prevalência da anemia é mais alta nas raparigas devido sobretudo às perdas mensais de sangue durante o período menstrual, explicou Lino Rosado, sublinhando que é preciso estar atento aos sinais e sintomas que vão aparecendo progressivamente, como o cansaço, a palidez, as palpitações, a irritabilidade, as cefaleias e até alterações no comportamento escolar.

DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Depois de três meses de confinamento é necessário aceitarmos a prudência de DES”confinar sem DISconfinar. Não vamos querer “morrer na praia”! As aprendizagens da pandemia Covid-19 são uma ótima oportunidade para acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência e o estado de calamidade ensinaram-nos muito! É necessário desconfinar o centro de saúde com uma nova visão e reinventar o conceito com unidades de saúde aprendentes e inovadoras.

Mais lidas