Atuar geneticamente para enfraquecer bactérias como alternativa a antibióticos
DATA
27/11/2019 10:14:17
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Atuar geneticamente para enfraquecer bactérias como alternativa a antibióticos

Um estudo norte-americano publicado na revista científica Nature Microbiology descreve o processo de enfraquecimento genético da bactéria Clostridioides difficile, responsável por muitas das infeções ocorrentes nos hospitais, podendo resultar em morte, como plano B face o aumento da resistência aos antibióticos.

Divulgado na segunda-feira, o grupo de cientistas teve como primeiro autor o português Pedro Oliveira, que trabalha no Instituto de Genómica de Mount Sinai, nos Estados Unidos.  Em declarações à Lusa, o investigador explica que o procedimento passar por modificar os genes que expressam as meltitransferases de DNA (MTases), proteínas envolvidas na modificação do DNA da bactéria, inativando-as. Ao fazê-lo, a bactéria deixa de produzir MTases e torna-se mais fraca, menos resistente e com a menor capacidade de formar esporos, ou seja, de se propagar. Sem “características virulentas”, o patogénico fica mais vulnerável à “maioria dos desinfetantes hospitalares e rotinas de limpeza”.

"No atual cenário global de crescente resistência aos antibióticos, esta estratégia assume-se definitivamente como um plano B promissor para combater infeções de origem bacteriana", argumenta Pedro Oliveira. O especialista defende ainda esta posição ao referir que as proteínas MTases são “quase universais em bactérias” – abrangendo a E.coli e a salmonella  –, pelo que este processo pode ser replicado em mais elementos bacterianos por forma a diminuir a sua virulência e patogenicidade.

Nesta investigação, a equipa sequenciou o ADN de várias estirpes da bactéria Clostridioides difficile, isolada de 36 doentes, por via de uma técnica de sequenciação que permite visualizar como os genes funcionam. Numa próxima etapa, o grupo propõe-se desenvolver e testar medicamentos que consigam inibir as proteínas MTases.

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas