Salvador de Mello: “Muitas vezes olha-se para a saúde como fator de despesa”
DATA
28/11/2019 16:45:35
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Salvador de Mello: “Muitas vezes olha-se para a saúde como fator de despesa”

O presidente do Health Cluster Portugal defende que o setor da saúde deve ser uma prioridade e que o dinheiro que lhe é destinado deve ser olhado como um investimento, e não como uma despesa.

“A saúde é um setor económico dos mais relevantes, dinâmicos e competitivos em Portugal. Muitas vezes olha-se para a saúde como fator de despesa, mas não é assim, é um setor com valor económico concreto”, afirmou Salvador de Mello.

Em declarações à agência Lusa a propósito da 10.ª conferência do Health Cluster Portugal,

Salvador de Mello reconheceu que “há desafios relevantes de financiamento do sistema” e sublinha que o setor “terá de ver o seu financiamento reforçado”.

“É evidente que há desafios relevantes de financiamento do sistema, eles são inquestionáveis, e o setor terá de ver o seu financiamento reforçado. (…) A prioridade que o Governo quer colocar na saúde espero que leve a um aumento do financiamento do sistema, não para despesa e porque é um custo, mas sim porque é um setor que representa um valor económico muito substancial para o país”, afirmou.

O responsável recordou ainda que “foi por reconhecer o valor económico do setor” que foi assinado com Governo um pacto com o 'cluster' da saúde, com um conjunto de medidas.

Estas medidas “visam que haja um olhar económico do setor, e não só um olhar setorial, que olha muito para a despesa, e bem, pois o sistema tem de ser gerido de forma eficiente, mas muito do dinheiro que é posto no setor deve ser encarado numa lógica de investimento e de valor económico”.

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas