×

Alerta

JUser: :_load: Não foi possível carregar o utilizador com o ID: 34880
SPMS e APAH lançam ciclo de webinars sobre a “Transformação Digital na Saúde”

Os Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS) e a Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares (APAH) lançam um ciclo de 12 webinars – webconferências em formato de seminário online – sobre o tema “Transformação Digital na Saúde”. O primeiro webinar é já no próximo dia 10 de dezembro.

A iniciativa, cujo objetivo é promover e disseminar conhecimento e destacar as oportunidades trazidas com a transformação digital na saúde, é dirigida a todos os profissionais do setor, investigadores, académicos, estudantes e demais interessados.

O ciclo de 12 webinars irá decorrer até o final de 2020 e cada um terá a duração de uma hora. Neste formato, a participação de todos os intervenientes é possível através da colocação de questões em direto. Os temas, preliminares, irão versar-se sobre a cibersegurança, comunicação e transformação digital, inteligência artificial, gestão e tecnologias inovadoras não-clínicas, desafios digitais no setor da saúde, qualidade dos dados, entre outros.

Para iniciar o ciclo, no dia 10 de dezembro às 15h, o 1º webinar será dedicado à “Liderança digital ENESIS 20-22”, contando com o presidente dos SPMS, Henrique Martins, como orador e com a moderação da coordenadora do Grupo de Trabalho da APAH para a “Gestão da Informação em Saúde”, Teresa Magalhães.

A participação é gratuita, mas está sujeita a pré-inscrição, havendo lugares limitados. Para o webinar inaugural, a marcação estará a decorrer até ao dia 5 de dezembro, carecendo de confirmação por via email até 48h antes do início do webinar.

Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?
Editorial | Denise Cunha Velho
Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?

Sou do tempo em que, na Zona Centro, não se conhecia a grelha de avaliação curricular, do exame final da especialidade. Cada Interno fazia o melhor que sabia e podia, com os conselhos dos seus orientadores e de internos de anos anteriores. Tive a sorte de ter uma orientadora muito dinâmica e que me deu espaço para desenvolver projectos e actividades que me mantiveram motivada, mas o verdadeiro foco sempre foi o de aprender a comunicar o melhor possível com as pessoas que nos procuram e a abordar correctamente os seus problemas. Se me perguntarem se gostaria de ter sabido melhor o que se esperava que fizesse durante os meus três anos de especialidade, responderei afirmativamente, contudo acho que temos vindo a caminhar para o outro extremo.