×

Alerta

JUser: :_load: Não foi possível carregar o utilizador com o ID: 34880
DGS e SICAD instruem para o não uso de cigarros eletrónicos face potencial associação a doença pulmonar grave
DATA
06/12/2019 11:52:18
AUTOR
ETIQUETAS



DGS e SICAD instruem para o não uso de cigarros eletrónicos face potencial associação a doença pulmonar grave

A Direção-Geral da Saúde (DGS) e o Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD) vieram desaconselhar o uso de cigarros eletrónicos, face novas informações que parecem associá-los a casos de doença pulmonar grave.

No âmbito do mercado destes produtos, com uma grande diversidade de líquidos e aromas, as entidades contraindicam em particular os que contêm substâncias como canabidiol e outros derivados da canábis, acetato de vitamina E e diacetil.

A comunicação, a 5 de dezembro, decorre de novas informações no contexto internacional. Segundo os Centers for Disease Control and Prevention (CDC), desde agosto de 2019 até 21 de novembro, os Estados Unidos da América registaram 2290 casos de doença pulmonar grave, incluindo 47 óbitos, associados ao recurso a cigarros eletrónicos ou vaping. Adicionalmente, há casos semelhantes a serem investigados no Canadá, nas Filipinas, na Bélgica e na Suécia. À luz destes eventos, a situação tem sido avaliada e discutida, em termos de gestão de risco e eventuais medidas a adotar, a nível da Comissão Europeia.

Apesar de advertir que a investigação dos casos ainda não está concluída, a DGS afirma em nota que “não existem cigarros eletrónicos nem produtos de tabaco seguros, nomeadamente tabaco aquecido”. Logo, desaprova qualquer utilização de “cigarros eletrónicos, com ou sem nicotina”, sobretudo por jovens, jovens adultos ou mulheres grávidas.

Os adultos a consumir cigarros eletrónicos para deixar de fumar «não devem voltar a fumar». As entidades apelam a que se procure antes o apoio médico, consultas de cessação tabágica ou tratamentos de substituição de nicotina aprovados pelo regulador do medicamento, o Infarmed.

Deixa-se ainda a chamada de atenção aos fumadores para sintomas como tosse, falta de ar, dor no peito, febre, calafrios, náuseas, vómitos, dor abdominal ou diarreia. Podendo desenvolver-se ao longo de alguns dias ou várias semanas, é essencial “procurar um médico imediatamente”.

Quanto a demais cuidados a considerar, a DGS e o SICAD alertam para não se modificar ou adicionar substâncias aos líquidos e não se utilizar produtos comprados fora dos circuitos legais de comercialização, incluindo através da internet. Para além disto, é necessário ler sempre as instruções de uso e contraindicações que devem acompanhar, obrigatoriamente, os cigarros eletrónicos, e manter os produtos fora do alcance das crianças.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas