×

Alerta

JUser: :_load: Não foi possível carregar o utilizador com o ID: 34880
14.º Congresso Português do AVC com programa multidisciplinar sobre prevenção, tratamento e reabilitação do AVC

O 14º Congresso Português do AVC, irá ocorrer de 6 a 8 de fevereiro do próximo ano, no Hotel Sheraton Porto. Organizado pela Sociedade Portuguesa do Acidente Vascular Cerebral (SPAVC) e patrocinado pela European Stroke Organisation, World Stroke Organization e Ordem dos Médicos, espera-se que o evento, cuja missão é divulgar as novidades científicas do último ano e promover diversas atividades relacionadas com o tema, tenha mais de 900 participantes.

Com o intuito de promover uma abordagem multidisciplinar e aberta a uma multiplicidade de faixas etárias, do programa constam várias sessões temáticas relativas ao AVC: desde “a hipertensão e AVC, os antitrombócitos na prevenção de AVC, a evolução dos processos de decisão no tratamento do AVC agudo” até, no âmbito da saúde pública, o papel da “doença cerebral na comunidade ou a colateralização como ponto essencial no tratamento do AVC”.

Os destaques são feitos pela presidente da Comissão Organizadora do Congresso e neurologista, Marta Carvalho. Salienta ainda os aspetos relacionados com a reabilitação e uma sessão de grupo de jovens da SPAVC, onde se irá “debater o futuro do tratamento do AVC muito precoce”. 

A transversalidade promove um espaço de troca de experiências entre profissionais, a qual, por conseguinte, contribui para o enriquecimento científico e para um tratamento cada vez mais eficaz para os doentes.

Ao todo, serão realizadas seis conferências com preletores mundialmente conhecido. A título de exemplo, a representante menciona Zhengming Chen, Juan Arenillas, Charles Wolfe, Claudio Bassetti, Eric Juttler e Bart van der Worp. “Irão abordar temas diversos como os fatores de risco genéticos e ambientais para AVC, doença não aterosclerótica de grandes vasos intracranianos, o peso do AVC na Europa, AVC e sono, a abordagem do edema cerebral no AVC agudo e o futuro do tratamento do AVC na Europa”, declara.

Num ano em que SPAVC celebra os seus 15 anos, o congresso terá um cariz comemorativo ao haver uma conferência especial, a cargo de um dos membros da direção da SPAVC, Miguel Rodrigues.

À semelhança das edições anteriores, irão ser atribuídos prémios para as três melhores comunicações orais, no valor de 1500 euros para o 1º lugar, mil para o segundo e 750 para o terceiro. A nível de apresentação oral de casos clínicos, também há um prémio de mil euros e, sob a forma de cartazes, estão previstos dois prémios. Os resumos (comunicações orais e cartazes) têm de ser submetidas por via eletrónica até dia 15 de dezembro de 2019.

O melhor trabalho sobre AVC elaborado por técnicos, terapeutas ou enfermeiros também será galardoado num montante de mil euros, para além de ser entregue um prémio para a melhor celebração do Dia Nacional do Doente com AVC em 2019, no mesmo valor.

Por fim, há ainda a oportunidade de participação na conferência European Stroke Organisation, a decorrer na Finlândia, com deslocações, alojamento e inscrição pagos, para o vencedor do prémio ESOC 2021. Ao segundo lugar são atribuídos 500 euros.

Após o encerramento desta 14ª edição do Congresso Português do AVC, decorrerá um Curso Interativo de AVC isquémico na fase aguda, das 15h30 às 18h, dirigido sobretudo a internos e jovens especialistas. Em simultâneo, ocorre a sessão de informação à população, coordenada pelo presidente da SPAVC, Castro Lopes.

A inscrição pode ser feita a preço reduzido até dia 20 de dezembro de 2019, através de um formulário disponível online.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas