Hospital de Guimarães abre unidades de AVC e de Cuidados Intermédios de Medicina
DATA
02/01/2020 17:56:10
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Hospital de Guimarães abre unidades de AVC e de Cuidados Intermédios de Medicina

O Hospital de Guimarães abriu hoje uma Unidade de AVC (UAVC) e outra de Cuidados Intermédios de Medicina (UCIM), "duas áreas funcionais", para o "tratamento específico" de Acidente Vascular Cerebral (AVC) e para tratar pacientes "mais complexos".

Em comunicado enviado à Lusa, o Hospital da Senhora da Oliveira, em Guimarães, refere que as duas unidades se encontram integradas no Serviço de Medicina, contando no total com uma lotação de 12 camas.

Em relação à abertura da UAVC, "uma necessidade já identificada há alguns anos aquando da abertura da via verde do AVC", salienta o texto, "a mesma vai permitir um tratamento mais estruturado e com condições de maior segurança clínica, nomeadamente para pacientes mais complexos e de maior gravidade".

Com um investimento total de cerca de 500 mil euros, estas duas novas unidades vão diferenciar os cuidados de saúde prestados, oferecendo-se uma assistência mais rigorosa, personalizada e multidisciplinar. Com esta nova Unidade, refere o comunicado, "pretende-se trabalhar, também, numa política de prevenção através da literacia em saúde, possibilitando-se, sempre que necessário, o acompanhamento do doente após alta hospitalar".

O Hospital de Guimarães aponta ainda que "em estreita articulação com o Serviço de Urgência do Hospital, a UAVC vai garantir um tempo de resposta mais célere aos pacientes com esta patologia, agilizando procedimentos clínicos e garantindo uma maior qualidade na prática destes cuidados hospitalares".

Em relação à abertura da UCIM, "esta nova Unidade congrega, ao cuidado de uma mesma equipa médica e de enfermagem com rotinas bem definidas, os pacientes agudos mais complexos do Serviço de Medicina, através de uma estrutura equipada com as mais modernas tecnologias, permitindo suporte de órgão, nomeadamente ventilatório, vascular, metabólico, entre outros".

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas