Estudo aponta para subnotificação de casos de violência contra profissionais de saúde e propõe medidas de prevenção
DATA
06/01/2020 12:42:24
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Estudo aponta para subnotificação de casos de violência contra profissionais de saúde e propõe medidas de prevenção

A Acta Médica Portuguesa publicou hoje um estudo monocêntrico português, realizado num hospital público de Lisboa entre abril e maio de 2018, sobre a violência no local de trabalho em instituições de saúde, cujo objetivo é refletir sobre as causas e consequências deste fenómeno e definir estratégias de prevenção.

Identificados 41 episódios de violência reportados por estes trabalhadores, o estudo aponta para os “longos tempos de espera” e o “desrespeito” ou a insolência de doentes e acompanhantes para com os profissionais como as principais causas destas agressões, sobretudo verbais, mas também físicas (14 casos). Verificaram-se ainda três casos de violência verbal entre profissionais.

A investigadora responsável pelo estudo, Helena Sofia Antão, da Escola Nacional de Saúde Pública, realçou a baixa notificação dos incidentes, com apenas 23% dos profissionais sujeitos a agressões a efetuar o procedimento. Segundo os autores da investigação, esta realidade “contribui para a ausência de medidas organizacionais”.

Fincando que a violência no local de trabalho é um fator de risco com impacto negativo na saúde dos trabalhadores, o artigo sugere que sejam definidas sanções para utentes ou familiares violentos para evitar ou minimizar os incidentes. Nesse sentido, propõe ainda o aumento de agentes de segurança ou polícias, bem como de profissionais por forma a reduzir os tempos de espera, e recomenda a disponibilização de mais informação aos utentes sobre os tempos de espera.

Adicionalmente, concluindo que há falta de conhecimento ou familiaridade com os procedimentos internos sobre violência no local de trabalho – situação que “acrescenta e piora os sentimentos de insegurança e de perda de controlo” –, os investigadores aconselham a que sejam ciados programas de saúde ocupacional nas unidades de saúde. O objetivo é integrar medidas e estratégias, das quais deve constar a definição de sanções para utentes ou familiares violentos, com o intuito de melhorar a segurança e incentivar a notificação de incidentes.

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas