Ministra rejeita saúde em "modelo de supermercado" baseada em vales
DATA
13/01/2020 10:34:59
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Ministra rejeita saúde em "modelo de supermercado" baseada em vales

A ministra da Saúde rejeitou a visão da saúde num “modelo de supermercado”, baseado em vales para utilização no setor privado ou social.

No parlamento, onde hoje será ouvida sobre o Orçamento do Estado para 2020, Marta Temido afirmou que o Governo não acredita num “modelo de saúde de supermercado, baseado em vales, vales consulta, vales cirurgia [etc]”.

As declarações de Marta Temido surgem depois de no sábado o bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, ter sugerido, numa entrevista à agência Lusa, a criação de vales consulta para serem usados no setor privado e social quando são ultrapassados os tempos máximos de resposta no Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Miguel Guimarães defendeu que o SNS crie “vales consulta” para os casos em que são ultrapassados tempos de espera ou que o Estado comparticipe os exames quando o doente tem de recorrer ao setor privado ou social.

A ideia seria criar para as consultas um mecanismo semelhante ao das cirurgias, em que os doentes recebem um vale para poderem realizar a operação numa entidade privada ou do setor social quando são ultrapassados os tempos clinicamente aceitáveis de espera.

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas