Não renovação da PPP do Hospital de Loures assente em avaliação técnica
DATA
20/01/2020 15:36:49
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Não renovação da PPP do Hospital de Loures assente em avaliação técnica

A ARSLVT esclareceu hoje que a decisão da não renovação da parceria público-privada do Hospital de Loures foi baseada numa avaliação técnica e garante que prestação de cuidados de saúde aos utentes “continuará a ser assegurada sem interrupções”.

A Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) adianta em comunicado que “a decisão de não renovação do contrato pelo prazo de 10 anos prende-se com a avaliação técnica feita pela Equipa de Projeto”, nomeada por despacho em 21 de fevereiro de 2019 da coordenadora da Unidade Técnica de Acompanhamento de Projetos (UTAP).

Enquanto representante da Entidade Pública Contratante e responsável pelo acompanhamento do Contrato de Gestão, a ARSLVT explica que o contrato de gestão do Hospital Beatriz Ângelo, em Loures, faz depender “a decisão de renovação da verificação de determinadas condições, condições essas que, de acordo com a referida avaliação técnica, não são tidas por verificadas”.

A ARSLVT salienta ainda que “a evolução do setor da Saúde faz considerar a necessidade de introduzir alterações nas prestações de saúde” e que “a decisão subsequente sobre o futuro do Hospital de Loures após 18 de janeiro de 2022 encontra-se em avaliação pelo Governo”.

O atual contrato da PPP do Hospital Beatriz Ângelo, que é gerido pelo grupo Luz Saúde, termina dentro de dois anos e a decisão de não renovação do contrato de gestão foi comunicada no sábado, dentro do prazo legal.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas