CHULN estima tratar 1.800 doentes/ano em hospitalização domiciliária
DATA
21/01/2020 12:13:24
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


CHULN estima tratar 1.800 doentes/ano em hospitalização domiciliária

O Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte (CHULN) vai começar no início de fevereiro a Hospitalização domiciliária, mantendo os doentes “internados” em casa.

O CHULN acredita que dentro de três anos seja o maior serviço de hospitalização domiciliária do país, tratando 1.800 doentes por ano.

A hospitalização domiciliária no CHULN começará na primeira semana de fevereiro, arrancando primeiro com seis camas e com uma equipa de uma dezena de profissionais, entre médicos, enfermeiros, assistente social, farmacêutico e assistente operacional.

A partir de junho, a administração do Santa Maria e Pulido Valente conta ter 20 camas. Dentro de três anos, o Centro Hospitalar acredita que este se torne o maior serviço de hospitalização domiciliária do país, com 50 camas, o equivalente a uma ou duas enfermarias hospitalares, tratando cerca de 1800 doentes/ano.

A unidade de hospitalização domiciliária vai funcionar sete dias por semana e 24 horas por dia, com apoio médico e de enfermagem que pode ser em permanência ou em regime de prevenção. A admissão para o internamento em casa será sempre voluntária e só depois de avaliada clinicamente.

Cerca de 20 hospitais públicos em Portugal têm hospitalização domiciliária e a ministra da Saúde já assumiu que quer alargar estes projetos a todas as unidades hospitalares do SNS.

Hoje, a ministra da Saúde, Marta Temido, e o secretário de Estado da Saúde, António Sales, participam em Beja numa sessão de trabalho sobre “Hospitalização Domiciliária / Balanço e Desafios 2020”.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas