Campanha da Dignitude "Dê troco a quem precisa" angariou mais de 35 mil euros
DATA
22/01/2020 15:35:17
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Campanha da Dignitude "Dê troco a quem precisa" angariou mais de 35 mil euros

A campanha da Associação Dignitude “Dê troco a quem precisa”, que decorreu em mais de 700 farmácias parceiras em todo o país entre 16 e 25 de dezembro, angariou mais de 35 mil euros através da doação do troco das compras efetuadas.

No global, a quinta edição da iniciativa contou com 52.840 donativos, os quais revertem para o Fundo Solidário abem. Enquadrado no “Programa abem: Rede Solidária do Medicamento”, o Fundo é totalmente aplicado na compra de medicamentos prescritos durante um ano para os beneficiários da rede, indivíduos sem capacidade financeira para os comprar que são referenciados por entidades locais.

No final de 2019, esta rede contava com 12.000 beneficiários a nível nacional, dos quais 13% crianças. Ultrapassando os 35 mil euros, os fundos angariados permitem incluir mais 357 pessoas carenciadas no fundo solidário.

“Estamos gratos pela solidariedade que os portugueses demonstraram, mais uma vez, através de uma forte adesão à campanha. Contamos com a ajuda de todos para, até final deste ano, conseguirmos ajudar 20.000 pessoas em situação de carência de medicação”, afirmou uma das embaixadoras da Associação Dignitude, Maria de Belém Roseira.

Segundo os dados da Dignitude, desde maio de 2016, data em que se iniciou o programa, já foram compradas 418.930 embalagens de medicamentos. A despesa realizada é coberta pelo Fundo Solidário, 100% dedicado à co-comparticipação de medicamentos dentro do programa, alimentado por uma campanha permanente de angariação de fundos.

De acordo com a associação, “o programa gerou nos dois primeiros anos um retorno social de 6,9 milhões de euros, mostrando que cada euro investido teve um impacto social valorizado em 7,8 euros”.

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas