Gripe mantém baixa intensidade, mas com tendência crescente
DATA
24/01/2020 10:59:08
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Gripe mantém baixa intensidade, mas com tendência crescente

A gripe é em Portugal de baixa intensidade, mas com tendência crescente, segundo o boletim de vigilância epidemiológica da gripe do Instituto Ricardo Jorge.

Segundo o boletim, que o Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge divulga habitualmente às quintas-feiras, a taxa de incidência de síndroma gripal foi de 56,24 por 100 mil habitantes.

Os dados referem-se à terceira semana de janeiro, de 13 a 19. Na semana anterior a taxa de incidência era de 44,64 por 100 mil habitantes.

Na terceira semana do mês houve um aumento das deteções do vírus da gripe do subtipo A, comparando com semanas anteriores.

Foram detetados 14 casos positivos para o vírus da gripe, 2 do tipo B, 2 do subtipo A-H3e 10 do subtipo A-H1, segundo os dados das Redes Sentinela. A Rede Portuguesa de Laboratórios para o Diagnóstico da Gripe detetou o vírus da gripe do tipo B em 75 casos e do tipo A em 132 casos. Nas 24 unidades de cuidados intensivos que reportam informação foram detetados 13 casos.

A mortalidade tem os valores de acordo com o esperado e na região europeia a terceira semana foi também marcada por atividade gripal de baixa intensidade com tendência crescente.

Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve
Editorial | Gil Correia
Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve

É quase esquizofrénico no mesmo mês em que se discute a carência de Médicos de Família no SNS empurrar, por decreto, os doentes que recorrem aos Serviços de Urgência (SU) hospitalares para os Centros de Saúde. A resolução do problema das urgências em Portugal passa necessariamente pelo repensar do sistema, do acesso e de formas inteligentes e eficientes de garantir os cuidados na medida e tempo de quem deles necessita. Os Cuidados de Saúde Primários têm aqui, naturalmente, um papel fundamental.