Campanha “Vencer a Asma” alerta para o impacto da asma grave no Algarve
DATA
27/01/2020 11:58:50
AUTOR
Jornal Médico
Campanha “Vencer a Asma” alerta para o impacto da asma grave no Algarve

A campanha nacional “Vencer a Asma” chega ao Algarve, através de um roadshow em Portimão e Faro, para promover a consciencialização e sensibilizar a comunidade para o impacto da asma grave, uma condição que, estima-se, possa afetar cerca de 10% dos 700 mil asmáticos portugueses. 

No dia 28 de janeiro, na Alameda da Praça da República, em Portimão, e no dia 29 de janeiro, o coreto de Faro, estará uma unidade móvel a distribuir informação sobre a Asma Grave e serão realizados rastreios, através de espirometrias e testes do controlo da asma.

Com o mote “Vencer a asma, antes que a asma o vença a si!” a iniciativa envolve a Associação Portuguesa de Asmáticos (APA), Sociedade Portuguesa de Pneumologia (SPP), Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica (SPAIC) e Grupo de Estudos de Doenças Respiratórias da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (GRESP), com o apoio da GSK – GlaxoSmithKline.

Depois de, no passado, ter marcado presença em 8 cidades portuguesas das regiões do Norte, Centro e Lisboa e Vale do Tejo, a campanha “Vencer a Asma” chega agora ao Algarve, para conhecer e debater os principais desafios reconhecidos pelas pessoas com asma, especialmente as que que sofrem de asma grave.

O presidente da SPAIC, Manuel Branco Ferreira, considera que “iniciativas como esta são uma oportunidade de promover a literacia sobre a asma grave, esclarecer as dúvidas dos doentes, alertar a população para a importância do controlo da asma e reconhecimento dos seus sintomas e distinção dos casos de asma não controlada ou asma grave”.

"Sabemos que o controlo da asma ainda é um desafio real e permanece como uma necessidade por satisfazer na vida diária de muitas pessoas com asma. Por isso, este tipo de iniciativas são importantes para consciencializar as pessoas com asma para a necessidade de atingirem e manterem o seu adequado controlo, de modo a aumentar o seu bem-estar, a viverem melhor e sem limitações na sua vida diária”, defende o especialista em Medicina Geral e Familiar e coordenador do GRESP - Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar, Rui Costa.

A asma afeta pessoas de todas as idades, mas normalmente inicia-se na infância. A asma grave é um quadro clínico de asma que requer tratamento com doses elevadas de corticoides inalados e um controlador adicional para prevenir o “descontrolo” da doença. Os sintomas passam por tosse muito frequente, pieira/chiadeira recorrente, dificuldade extrema em respirar, sensação intensa de aperto no peito, cansaço incapacitante, ataques de asma frequentes e prolongados. Os sintomas ou mesmo crises de asma podem ser desencadeados pela exposição a fumo do tabaco ou poluição atmosférica, bem como pela prática de exercício físico intenso, frio, determinados alimentos ou alguns medicamentos. As infeções respiratórias têm, também, uma grande ligação com as agudizações da asma e têm sido relacionadas com a asma crónica grave.  

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas