Dados provisórios apontam para redução de 40% na lista de espera para consultas hospitalares em 2019
DATA
10/02/2020 12:09:09
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Dados provisórios apontam para redução de 40% na lista de espera para consultas hospitalares em 2019

As listas de espera para consulta nos hospitais portugueses terão sofrido uma redução de 40% em 2019. Os “dados provisórios” foram adiantados pela ministra da Saúde, Marta Temido, na passada sexta-feira.

Considerando que os objetivos traçados não foram cumpridos na totalidade, a representante afirma, contudo, que “nunca houve tão poucos doentes à espera de uma consulta hospitalar como no ano de 2019”. Segundo Marta Temido, os dados provisórios, que apontam para uma redução de 40% da lista de pessoas à espera de uma consulta há mais de um ano, “só podem melhorar; não podem piorar”.

No sentido de, em conjunto com os conselhos de administração, “controlar o problema das listas de espera”, a responsável pela pasta da Saúde declara que o Governo irá manter a “qualificação do acesso” às consultas e cirurgias como “prioridade no ano de 2020”. Assim, menciona o investimento nos cuidados, quer em matéria de quantidade, quer em de qualidade, para “humanização” das respostas, com maior eficiência.

O anúncio foi feito no hospital de Santarém, onde se investiu um total de cerca de 6,5 milhões de euros – 4,1 milhões em obras e 2,4 milhões em equipamentos – para requalificação da unidade de Bloco Operatório Central e na de Bloco de Partos, com o intuito de melhorar a capacidade de resposta.

COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas

Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência terminou e o estado de calamidade passou, mas o problema de saúde mantem-se ativo. É urgente encontrar uma visão inovadora e adotar uma nova estratégia. As unidades de saúde precisam de encontrar respostas adequadas e seguras.

Mais lidas