Pulmonale integra Movimento Doentes pela Vacinação
DATA
11/02/2020 18:43:32
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Pulmonale integra Movimento Doentes pela Vacinação

A Pulmonale – Associação Portuguesa de Luta Contra o Cancro do Pulmão é o membro mais recente do Movimento Doentes pela Vacinação (MOVA), já com 11 entidades associadas. Com a integração da Pulmonale, o MOVA espera chegar a um dos principais grupos de alto risco – doentes com cancro do pulmão.

“Quem sofre de doença oncológica tem, em média, 30 a 40% maior probabilidade de contrair pneumonia pneumocócica”, refere o comunicado do MOVA. Adicionalmente, o risco de morte por doença por pneumococos é, no mínimo, duas vezes mais elevado nos doentes que também têm cancro.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) estabelece, desde junho de 2015, que a vacinação antipneumocócica é recomendável a todos os adultos pertencentes aos grupos de risco, entre os quais doentes oncológicos. Igualmente, a vacinação antigripal é recomendada neste e noutros grupos. Ademais, as pessoas com doença neoplásica ativa têm direito a vacinação antipneumocócica sem quaisquer custos por serem contempladas no grupo de alto risco.

Não obstante, o conjunto de associações considera que, no âmbito da prevenção da pneumonia e de outras doenças graves em Portugal, “ainda são poucos os vacinados, sobretudo entre os grupos de risco e alto risco”. Num inquérito lançado pelo movimento no ano passado, apenas 44,6% dos doentes entre os grupos de maior risco de contrair pneumonia tinham sido aconselhados a vacinarem-se. Por esse motivo, o MOVA procura sensibilizar a população e profissionais de saúde, bem como decisores políticos, para a importância da vacinação na idade adulta, como ato prioritário de prevenção destas patologias.

Considerando também que o cancro do pulmão afetava, de acordo com os dados da Globocan,  5200 doentes, em 2018, sendo o quarto com maior incidência em Portugal, o MOVA vê nesta entrada da Pulmonale uma oportunidade para “chegar a uma das principais populações de alto risco”, explica a fundadadora do movimento e presidente da Fundação Europeia do Pulmão, Isabel Saraiva.

A responsável acrescenta ainda que o MOVA espera, “com esta aproximação, contribuir para uma maior sensibilização deste grupo para a importância da prevenção e aumentar a taxa de vacinação nesta população”.

No total, o MOVA, fundado há quase três anos, é atualmente constituído pelos seguintes elementos: Respira, Fundação Portuguesa do Pulmão, Grupo de Estudos de Doenças Respiratórias da APMGF, Liga Portuguesa Contra a Sida, Associação Portuguesa de Asmáticos, Associação Portuguesa de Insuficientes Renais, Federação Portuguesa das Associações de Pessoas com Diabetes, Liga Portuguesa Contra o Cancro, Associação de Apoio aos Doentes com Insuficiência Cardíaca, Associação Portuguesa de Enfermeiros de Reabilitação, Pulmonale.

COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas

Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência terminou e o estado de calamidade passou, mas o problema de saúde mantem-se ativo. É urgente encontrar uma visão inovadora e adotar uma nova estratégia. As unidades de saúde precisam de encontrar respostas adequadas e seguras.

Mais lidas