Grupo de Ativistas em Tratamentos propõe a DGS que duplique a distribuição de preservativos
DATA
12/02/2020 15:04:00
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Grupo de Ativistas em Tratamentos propõe a DGS que duplique a distribuição de preservativos

O Grupo de Ativistas em Tratamentos (GAT) propôs hoje à Direção-Geral da Saúde (DGS) que seja aumentado o número anual de preservativos distribuídos de forma gratuita. A proposta surge na véspera do Dia Internacional do Preservativo, estrategicamente assinalado no dia anterior ao Dia dos Namorados.

A DGS distribui todos os anos cinco milhões de preservativos gratuitamente, através do Programa Nacional para a infeção VIH/SIDA. “Não obstante os esforços feitos, esta distribuição não responde às necessidades identificadas, em termos de quantidade e de locais de distribuição”, realça o GAT em comunicado. Assim, o Grupo propõe um aumento para dez milhões de preservativos a nível nacional e ainda que os preservativos sejam disponibilizados “sem barreiras” em locais estratégicos.

“Nós celebramos o Dia Internacional do Preservativo há sete anos e há sete anos que pedimos o aumento da distribuição de preservativos não só em quantidade, mas também nos locais estratégicos”, referiu o diretor-executivo do GAT, Ricardo Fernandes, à agência Lusa.

Reforçando o papel do preservativo enquanto “ferramenta de prevenção do VIH e de outras infeções sexualmente transmissíveis”, “altamente custo-eficaz”, o responsável pela organização não-governamental considera não haver qualquer “razão para não haver um investimento muito alto”. Justifica, assim, o apelo contínuo a uma “estratégia de distribuição de preservativos masculinos e femininos em locais de fácil acesso” e nos locais onde há dificuldades de acesso – hospitais públicos, escolas, prisões.

Se nas prisões os preservativos não são distribuídos de forma sistemática e nas escolas continua a haver “grandes barreiras por parte de vários agentes” para a disponibilização, Ricardo Fernandes afirma que “mesmo nos centros de saúde, na maior parte dos casos” há sempre algum intermediário para a obtenção do preservativo. Acrescenta que, na sua visão, enquanto a obtenção não for livre de intermediários, “vai ser muito difícil” conseguir conter a epidemia.

Ao evocar o compromisso de Portugal em conter a epidemia pelo VIH até 2030, assinado com a Organização das Nações Unidas, o diretor-executivo da GAT afirma que “há uma série de passos" a serem dados para tornar Portugal “um exemplo”. Nesse sentido, é necessário “agir em todas as frentes e esta é uma das frentes em que nós exortamos os decisores e os políticos para porem como prioridade”, conclui.

O Dia Internacional do Preservativo será assinalado pelo GAT através da elaboração de rastreios de VIH, hepatites virais e sífilis, da distribuição de preservativos e de material informativo, na Praça da Portela, em Almada, cidade que subscreveu a iniciativa Fast-Track Cities – Almada sem sida, em outubro de 2019.

O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo
Editorial | Jornal Médico
O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo

O Novo Livro Azul da APMGF é um desejo e uma necessidade. Volvidos 30 anos é fácil constatar que todos os princípios e valores defendidos no Livro Azul se mantêm incrivelmente atuais, apesar da pertinência do rejuvenescimento que a passagem dos anos aconselha. É necessário pensar, idealizar e projetar a visão sobre os novos centros de saúde, tendo em conta a realidade atual e as exigências e necessidades sentidas no futuro que é já hoje. Estamos a iniciar um novo ciclo!

Mais lidas