Reservas de sangue "muito abaixo do recomendado"
DATA
14/02/2020 15:49:46
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Reservas de sangue "muito abaixo do recomendado"

A Federação dos Dadores de Sangue manifesta-se preocupada com o nível das reservas de sangue atuais em Portugal, frisando que os valores estão “muito abaixo do recomendado”.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Federação – Fepodabes, Alberto Mota, admite que há muitos anos que não se verificavam valores de reserva de sangue tão baixos nesta altura do ano, sobretudo nos grupos A e 0.

“Precisamos de aumentar as dádivas destes grupos sanguíneos. Apelamos à dádiva da parte de pessoas saudáveis, que tenham entre 18 e 65 anos e mais de 50 quilos. Precisamos rapidamente de restabelecer as reservas”, afirmou.

Alberto Mota recorda que todos os anos há uma descida nas dádivas de sangue no período do final do ano, muito devido ao período do Natal e Passagem de Ano e também às doenças próprias do inverno.

O representante dos dadores de sangue admite que as gripes, constipações e infeções respiratórias estarão a ser este ano mais prolongadas no tempo, o que pode estar a fazer com que os dadores de sangue diminuam as suas dádivas.

Há cerca de uma semana, o Instituto Português do Sangue e da Transplantação (IPST) apelou para o reforço de dádivas de sangue, em particular dos grupos A e 0, que são os que estão mais em falta” e abaixo do recomendado, uma situação que ainda não foi ultrapassada.

A maioria dos portugueses tem os grupos sanguíneos A e 0 e são precisamente os que mais estão em falta.

O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo
Editorial | Jornal Médico
O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo

O Novo Livro Azul da APMGF é um desejo e uma necessidade. Volvidos 30 anos é fácil constatar que todos os princípios e valores defendidos no Livro Azul se mantêm incrivelmente atuais, apesar da pertinência do rejuvenescimento que a passagem dos anos aconselha. É necessário pensar, idealizar e projetar a visão sobre os novos centros de saúde, tendo em conta a realidade atual e as exigências e necessidades sentidas no futuro que é já hoje. Estamos a iniciar um novo ciclo!

Mais lidas