Astronautas, prémios Nobel e cientistas em conferência internacional de medicina em Lisboa
DATA
18/02/2020 10:39:16
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Astronautas, prémios Nobel e cientistas em conferência internacional de medicina em Lisboa

O astronauta Scott Parazynski, o Prémio Nobel Tim Hunt e inúmeras personalidades da ciência participam na 11.ª edição do maior encontro europeu de estudantes de biomedicina. A organização espera 1300 participantes em Lisboa.

De 26 a 29 de março, mais de 1000 estudantes de Medicina, de Biomédica, Farmácia, Ciências da Saúde e cerca de 300 profissionais de saúde podem assistir a palestras, debates e workshops com personalidades únicas do universo da ciência e da medicina.

A Annual International (bio)Medical Students (AIMS) Meeting, uma organização de estudantes da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, escolhe como grandes temas para a sua 11.ª edição a dicotomia que vive a humanidade, dividida entre as enormes inovações e progressos e o surgimento crescente de desafios e ameaças que requerem ações urgentes.

São inúmeros os especialistas convidados para falar da busca incessante do ser humano pela imortalidade, das promessas de curas para doenças tidas como fatais, da medicina espacial, das neurociências, da ciência genómica e também do impacto das alterações climáticas e das consequências das migrações na humanidade.

O médico e astronauta, Scott Parazynski, é um dos nomes mais aguardados. Escalou o Monte Evereste, fez Serviço de Urgência em inúmeros hospitais em Denver e entrou para a NASA para se tornar astronauta e cumprir cinco missões no espaço sideral e sete caminhadas no espaço, tendo desempenhado um papel crucial na construção da Estação Espacial Internacional.

O bioquímico Richard Tim Hunt, Prémio Nobel da Medicina (2001) e membro de diversas Sociedades Científicas, com imenso trabalho pioneiro no estudo do ciclo celular e do crescimento descontrolado das células cancerígenas, falará sobre a imortalidade.

Outro nome bastante aguardado é Jonathan Patz, diretor do Instituto Global de Saúde e professor em Saúde e Ambiente na Universidade de Wisconsin-Madison, reconhecido como um dos principais especialistas internacionais em Saúde Global e Saúde Ambiental. Foi copremiado com o Prémio Nobel da Paz (2007) pelo trabalho desenvolvido nas Nações Unidas em prol do estudo das Alterações Climáticas.

A 11.º Edição do AIMS Meeting decorre de 26 a 29 de março na Aula Magna na Universidade de Lisboa.

O primeiro dia de conferência dedica-se ao tema “Upgrade Yourself: Better, Faster, Stronger” e vai debater a incessante busca do ser humano pela perfeição: aumento da inteligência, reversão do envelhecimento e imortalidade. O tema do segundo dia de conferência "Self-Destruction: Designed to Fail” dedica-se à dicotomia entre os avanços tecnológicos e os comportamentos destruidores da humanidade. O terceiro e último dia da conferência dedica-se às neurociências, sob a designação “Mind Over Matter. Neurosciences”, e procura entender “o que nos torna humanos” e a importância que atribuímos às emoções, à consciência e à racionalidade.

Em paralelo ao programa do congresso, realiza-se o “Science Speed Dating”, uma oportunidade para os participantes conhecerem os oradores do AIMS Meeting. Num ambiente informal, os estudantes podem colocar questões a médicos e cientistas de renome internacional.

O AIMS Meeting oferece ainda aos seus participantes a possibilidade de participarem em 80 sessões formativas complementares em medicina de carácter prático e teórico-prático com mais de 250 médicos e cientistas.

DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Depois de três meses de confinamento é necessário aceitarmos a prudência de DES”confinar sem DISconfinar. Não vamos querer “morrer na praia”! As aprendizagens da pandemia Covid-19 são uma ótima oportunidade para acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência e o estado de calamidade ensinaram-nos muito! É necessário desconfinar o centro de saúde com uma nova visão e reinventar o conceito com unidades de saúde aprendentes e inovadoras.

Mais lidas