Simpósio irá dissecar processo diagnóstico de doenças raras comparando com investigação criminal
DATA
24/02/2020 17:19:46
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Simpósio irá dissecar processo diagnóstico de doenças raras comparando com investigação criminal

Por ocasião do Dia Mundial das Doenças Raras, assinalado no dia 29 de fevereiro, irá ocorrer o “VII Simpósio Doenças Raras, Sintomas Comuns”, no Porto. No evento serão abordadas as dificuldades no diagnóstico de algumas patologias raras, comparando o processo ao de uma investigação policial.

A iniciativa parte da premissa de que o diagnóstico de uma doença rara é um processo demorado, sustentada pelos dados da Organização Europeia para Doenças Raras (Eurordis), que apontam para uma duração do processo de cerca de cinco a 30 anos. Para além do fator tempo, destaca-se a complexidade do diagnóstico, tendo em conta a variabilidade dos sintomas, por vezes comuns a outras doenças.

Como tal, “seguir as pistas para o diagnóstico correto” é o mote traçado para a participação do investigador Francisco Moita Flores, cuja partilha de conhecimentos irá assentar na elaboração de um paralelismo entre o processo diagnóstico de uma doença rara com o processo de investigação criminal, evidenciado as semelhanças e a dificuldade de diagnosticar precocemente uma destas patologias.

Para além do espaço para debate e “investigação” – onde se espera uma discussão interativa entre profissionais de saúde para resolução diagnóstica de uma doença rara descrita em casos clínicos –, o simpósio irá contar com a apresentação do Livro Branco das Doenças Raras e dos Medicamentos Órfãos em Portugal. Esta obra de estudo e de consulta compila o conhecimento científico disponível sobre esta área.

Responsável pela organização do evento, a Sanofi irá ainda lançar em Portugal uma página de Facebook (https://www.facebook.com/raraseespeciais) com o intuito de informar e sensibilizar o público em geral para as doenças raras, dando voz a doentes, familiares, amigos, cuidadores e profissionais de saúde.

DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Depois de três meses de confinamento é necessário aceitarmos a prudência de DES”confinar sem DISconfinar. Não vamos querer “morrer na praia”! As aprendizagens da pandemia Covid-19 são uma ótima oportunidade para acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência e o estado de calamidade ensinaram-nos muito! É necessário desconfinar o centro de saúde com uma nova visão e reinventar o conceito com unidades de saúde aprendentes e inovadoras.

Mais lidas