Migração para SClínico CSP/SINUS em 17 unidades de Cuidados de Saúde Primários
DATA
26/02/2020 18:37:46
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Migração para SClínico CSP/SINUS em 17 unidades de Cuidados de Saúde Primários

Com o objetivo de facilitar o acesso à informação clínica de utentes, a SPMS, EPE efetuou a migração do M1 para o SClínico CSP/SINUS em 17 unidades prestadoras de Cuidados de Saúde Primários (CSP) pertencentes à Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARS LVT). Inserido na estratégia de uniformização dos Sistemas de Informação no SNS, o projeto de migração nestas unidades decorre dos pedidos de transição solicitados à SPMS pela ARS LVT.

A agregação da componente administrativa (SINUS) e da componente clínica (SClínico CSP) permite ter registos clínicos num único repositório de informação, possibilitando mais facilmente que se aceda aos registos feitos por diferentes médicos, em todas as zonas do país e noutros níveis de cuidados.

A SPMS, EPE relembra, assim, que os objetivos do processo de migração são, entre outros, garantir que os dados de histórico clínico residentes no M1 transitam para este agregador e oferecer uma melhor interoperabilidade com as outras soluções desenvolvidas pelos SPMS.

Salientando a importância de um “acesso direto e bidirecional” à informação clínica como “mais valia ao serviço da continuidade de cuidados, característica da Medicina Geral e Familiar”, os Serviços Partilhados do Ministério de Saúde reforçam, numa notícia publicada hoje, que “os médicos de família precisam de investir na qualidade dos seus registos e de participar no desenvolvimento das respetivas aplicações informáticas, mantendo-os centrados no doente e nos cuidados de saúde a prestar”. 

Este processo de migração, que visa a utilização de um único sistema de informação clínica, irá continuar em 2020 como forma de uniformizar os registos nos CSP. Prevê-se a implementação do SClínico CSP/SINUS em 23 unidades de saúde inseridas nas ARS LVT, Centro e Algarve.

DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Depois de três meses de confinamento é necessário aceitarmos a prudência de DES”confinar sem DISconfinar. Não vamos querer “morrer na praia”! As aprendizagens da pandemia Covid-19 são uma ótima oportunidade para acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência e o estado de calamidade ensinaram-nos muito! É necessário desconfinar o centro de saúde com uma nova visão e reinventar o conceito com unidades de saúde aprendentes e inovadoras.

Mais lidas