Covid-19: A situação no norte de Portugal
DATA
09/03/2020 10:43:48
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Covid-19: A situação no norte de Portugal

No âmbito da Emergência de Saúde Pública de Âmbito Internacional da Covid-19, e com o desenrolar da situação epidemiológica mundial, Portugal registou os seus primeiros casos de doença, ainda que com alguma restrição geográfica.

Tendo em conta a informação disponível, à data, na região Norte, registam-se os seguintes casos: 23 casos confirmados, dos quais 19 correspondem ao mesmo foco; 646 contactos identificados; encontram-se em isolamento profilático e vigilância ativa 296 pessoas; quanto aos casos suspeitos a aguardar resultados laboratoriais são 21.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) explica em comunicado que “tendo em conta a circunscrição de maioria destes casos aos concelhos de Felgueiras e Lousada, afetando também instituições escolares, a evidência apoia o fecho preventivo de todas as escolas. Estudos comparativos em circunstâncias de epidemia mostram que o fecho preventivo tem maior efeito quando comparado com o reativo.”

De acordo com os dados conhecidos, a maioria das crianças tem quadros ligeiros a moderados, mas têm um reconhecido papel como transmissoras de doença, sendo que a redução do contacto entre elas poderá retardar a transmissão da doença na comunidade.

Assim sendo, mediante o acumular de casos nos concelhos acima referidos, e correspondendo ao consensualizado entre as Autoridades de Saúde do nível nacional, regional e local, “proceder-se-á ao encerramento não só dos estabelecimentos escolares (públicos e privados), mas também à suspensão de atividade dos estabelecimentos de lazer/culturais e de utilização pública, designadamente ginásios, bibliotecas, piscinas, espaços para eventos e cinemas. Esta medida é temporária e durará até ser levantado o encerramento por parte das Autoridades de Saúde”, explica a DGS em comunicado enviado às redações.

As pessoas dos concelhos de Felgueiras e Lousada devem evitar deslocações desnecessárias e participar em reuniões com elevado número de pessoas, de forma a reduzir o número potencial de pessoas contagiadas.

A DGS reconhece o impacto destas medidas, nomeadamente no dia-a-dia das populações residentes nestes concelhos, e agradece antecipadamente a colaboração de todos os cidadãos, que pode ser fundamental no controlo deste surto.

Recomenda-se o distanciamento social (evitar contacto próximo com outras pessoas) e a adoção de medidas de higiene das mãos, de limpeza de objetos e superfícies e de etiqueta respiratória (não espirrar, tossir ou falar em direção a outros ou para as mãos).

O conjunto destas medidas será alvo de revisão à medida que as circunstâncias epidemiológicas evoluírem.

“Este é um desafio para a sociedade portuguesa e para outros países em todo o mundo. As medidas agora preconizadas e as atitudes individuais permitem minimizar o impacto desta ameaça à Saúde Pública”, conclui a DGS.

As certezas enganadoras sobre os Outros
Editorial | Mário Santos, membro da Direção Nacional da APMGF
As certezas enganadoras sobre os Outros

No processo de reflexão da minha prática clínica, levo em conta para além do meu índice de desempenho geral (IDG) e da satisfação dos meus pacientes, a opinião dos Outros. Não deixo, por isso, de ler as entrevistas cujos destaques despertam em mim o interesse sobre o que pensam e o que esperam das minhas funções, como médico de família. Selecionei alguns títulos divulgados pelo Jornal Médico, que mereceram a minha atenção no último ano: