×

Alerta

JUser: :_load: Não foi possível carregar o utilizador com o ID: 34880
Apelo da Ordem para reforço de SNS é atendido por mais de mil médicos em 24 horas
DATA
11/03/2020 12:10:02
AUTOR
ETIQUETAS



Apelo da Ordem para reforço de SNS é atendido por mais de mil médicos em 24 horas

Mais de mil médicos responderam positivamente ao apelo lançado pelo bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, num espaço de 24 horas.

Na carta enviada pelo representante a todos os médicos, apelava-se – invocando o “espírito solidário e humanista” inerente profissão médica – à colaboração de todos os profissionais neste combate ao novo coronavírus – o Covid-19.

Em particular, Miguel Guimarães dirigiu-se aos que não se encontram no Serviço Nacional de Saúde (SNS). Sublinhando que esta situação é temporária, o médico realçou a importância de reforçar a capacidade de resposta do SNS e, assim, fazer face aos potenciais desafios apresentados pelo surto, caso a situação se venha a agravar.

“Considero que este é um momento importante de união entre todos os cidadãos e, em especial, entre todos os médicos e profissionais de saúde. É o momento de colocar as divergências de lado e centrar os nossos esforços em servir a verdadeira causa pública que são as pessoas e o país, e ajudar a Autoridade de Saúde Nacional (DGS) e o Governo a garantir uma resposta adequada ao evoluir da situação epidémica”, eram as palavras do responsável na sua missiva.

Como explica, a ideia é ter os vários médicos a contribuir, dentro da sua área “de conforto e saber”, por forma a libertar outros profissionais, mais especializados, para incidirem sobre o Covid-19.

O bastonário aproveitou ainda, na mesma carta, para deixar o seu agradecimento aos que já estão inseridos no SNS, tendo em conta o “desinvestimento” de que o serviço público tem sido alvo ao longo dos últimos anos. “Aos que já fazem o SNS todos os dias, em condições muito difíceis, só posso agradecer antecipadamente o esforço extra que estão a fazer, e para o qual sei que estão à altura”.

Miguel Guimarães destacou ainda que, como modo de proteger os médicos e outros profissionais de saúde, está “em contacto e a pressionar a DGS e o Ministério da Saúde para garantir que os profissionais de saúde tenham acesso aos equipamentos de proteção adequados e, nomeadamente ao equipamento de proteção individual para se resguardarem durante o contacto com potenciais doentes e doentes infetados”.

Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve
Editorial | Gil Correia
Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve

É quase esquizofrénico no mesmo mês em que se discute a carência de Médicos de Família no SNS empurrar, por decreto, os doentes que recorrem aos Serviços de Urgência (SU) hospitalares para os Centros de Saúde. A resolução do problema das urgências em Portugal passa necessariamente pelo repensar do sistema, do acesso e de formas inteligentes e eficientes de garantir os cuidados na medida e tempo de quem deles necessita. Os Cuidados de Saúde Primários têm aqui, naturalmente, um papel fundamental.