Covid-19: Ordem e associações setoriais criam linha de apoio para farmacêuticos
DATA
12/03/2020 15:37:35
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Covid-19: Ordem e associações setoriais criam linha de apoio para farmacêuticos

A Ordem dos Farmacêuticos (OF) e as associações que representam as áreas assistenciais da profissão farmacêutica – Farmácia Comunitária, Farmácia Hospitalar e Análises Clínicas – criaram um Gabinete de Apoio ao Farmacêutico para coordenação estratégica e implementação de medidas para todo o setor farmacêutico enfrentar a pandemia de Covid-19.

No comunicado de hoje da OF, lê-se que entre as medidas adotadas está a criação de uma Linha de Apoio ao Farmacêutico gratuita (número iniciado por 800). Uma fase inicial de testes está em curso, mas a partir de segunda-feira esta linha irá entrar em funcionamento pleno. O objetivo é dar resposta às dúvidas, dificuldades e problemas que surgem diariamente perante o novo coronavírus. Numa primeira fase, a linha vai responder a questões eminentemente profissionais e técnico-científicas dos farmacêuticos comunitários, sendo depois capacitada para resposta aos farmacêuticos hospitalares e analistas clínicos.

O Gabinete de Apoio ao Farmacêutico continua a trabalhar em várias outras medidas dirigidas aos profissionais que estão nas farmácias, nos hospitais e nos laboratórios de análises clínicas. Além do envio periódico de informação técnica e de orientações emitidas pelas autoridades de saúde, estão a ser permanentemente atualizados Planos de Contingência, checklists para intervenção profissional, perguntas frequentes e materiais informativos para o público e profissionais.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas