Covid-19: As principais medidas aprovadas pelo Conselho de Ministros
DATA
13/03/2020 10:23:25
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Covid-19: As principais medidas aprovadas pelo Conselho de Ministros

As escolas de todos os graus de ensino vão suspender todas as atividades letivas presenciais a partir de segunda-feira devido ao surto Covid-19, anunciou hoje primeiro-ministro, António Costa.

Esta medida, temporária, até ao fim do período letivo, antes das férias da Páscoa, será reavaliada a 9 de abril.

O primeiro-ministro anunciou ainda o encerramento de discotecas, a redução da lotação máxima dos restaurantes, a limitação do número de pessoas em centros comerciais e serviços públicos e a proibição de desembarque dos passageiros de cruzeiros.

Estas são algumas das medidas que o Conselho de Ministros aprovou devido à pandemia do Covid-19 e que foram anunciadas por António Costa numa declaração na residência oficial de São Bento.

"Vamos determinar o encerramento das discotecas e estabelecimentos similares, reduzir em um terço a lotação máxima de cada estabelecimento de restauração de forma a aumentar o espaçamento entre os diferentes clientes, vamos determinar a limitação da frequência de centros comerciais ou de serviço públicos de forma a que a sua frequência se adeque ao espaço de cada um sem que haja um excesso de pessoas simultaneamente dentro do mesmo espaço", elencou.

De acordo com o primeiro-ministro, o Governo vai também "determinar a proibição de desembarque dos passageiros de navios de cruzeiro, que poderão continuar a aportar para efeitos de reabastecimento, com a exceção dos residentes em Portugal".

"Tal como já foi determinado em relação à região norte, será estendida a todo o país a limitação de visitas a lares de idosos", anunciou ainda.

Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?
Editorial | Denise Cunha Velho
Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?

Sou do tempo em que, na Zona Centro, não se conhecia a grelha de avaliação curricular, do exame final da especialidade. Cada Interno fazia o melhor que sabia e podia, com os conselhos dos seus orientadores e de internos de anos anteriores. Tive a sorte de ter uma orientadora muito dinâmica e que me deu espaço para desenvolver projectos e actividades que me mantiveram motivada, mas o verdadeiro foco sempre foi o de aprender a comunicar o melhor possível com as pessoas que nos procuram e a abordar correctamente os seus problemas. Se me perguntarem se gostaria de ter sabido melhor o que se esperava que fizesse durante os meus três anos de especialidade, responderei afirmativamente, contudo acho que temos vindo a caminhar para o outro extremo.