Covid-19: Hospital da CVP passa a estar ao Serviço do Estado
DATA
18/03/2020 10:16:31
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Covid-19: Hospital da CVP passa a estar ao Serviço do Estado

A Cruz Vermelha Portuguesa (CVP) informou, em comunicado enviado às redações, que face à necessidade de recursos nos Serviços de Saúde definidos para o Covid-19, o Hospital da Cruz Vermelha passa a funcionar ao serviço de Estado, no combate ao surto do novo coronavírus integrado na rede covid.

A Coordenação Nacional de Emergência da CVP encontra-se a iniciar o plano de formação aos técnicos do Hospital da Cruz Vermelha sobre procedimentos e proteção individual, preparando-os assim para a entrada em funcionamento desta nova resposta.

Até ao momento, a Cruz Vermelha Portuguesa já realizou 170 transportes de doentes suspeitos de COVID-19, distribuídos pelas 11 ambulâncias que tem dedicadas para o efeito; montou a unidade modular no Hospital de Santa Maria para contenção dos doentes suspeitos de Covid-19; formou cerca de 700 técnicos de emergência pré-hospitalar em toda a rede da CVP.

Esta reestruturação conjuntural e a desejável articulação entre o Estado (SNS) e a Cruz Vermelha Portuguesa contribuirão para aumentar a capacidade de resposta à pandemia.

Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?
Editorial | Denise Cunha Velho
Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?

Sou do tempo em que, na Zona Centro, não se conhecia a grelha de avaliação curricular, do exame final da especialidade. Cada Interno fazia o melhor que sabia e podia, com os conselhos dos seus orientadores e de internos de anos anteriores. Tive a sorte de ter uma orientadora muito dinâmica e que me deu espaço para desenvolver projectos e actividades que me mantiveram motivada, mas o verdadeiro foco sempre foi o de aprender a comunicar o melhor possível com as pessoas que nos procuram e a abordar correctamente os seus problemas. Se me perguntarem se gostaria de ter sabido melhor o que se esperava que fizesse durante os meus três anos de especialidade, responderei afirmativamente, contudo acho que temos vindo a caminhar para o outro extremo.