Covid-19: Faculdade de Ciências e Tecnologia está a imprimir máscaras para hospitais
DATA
25/03/2020 15:53:45
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Covid-19: Faculdade de Ciências e Tecnologia está a imprimir máscaras para hospitais

A Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa juntou alunos e professores e montou uma linha de montagem para produzir máscaras viseiras de proteção para os profissionais de saúde, anunciou hoje a instituição.

Em comunicado, a faculdade afirma que, em condições ideais, consegue imprimir em três dimensões (3D) cerca de 100 máscaras por dia, que estão a ser distribuídas pelos hospitais de Santa Maria, em Lisboa, Cascais, Garcia de Orta, em Almada, e Vila Franca de Xira.

Cada máscara demora duas horas a ser produzida, mas os cerca de 30 voluntários, entre professores e alunos de doutoramento e de mestrado, estão organizados de forma a garantir que as 12 máquinas impressoras disponíveis trabalham ininterruptamente.

“São organizadas equipas de duas pessoas, por turnos, para supervisionar e monitorizar o processo de produção”, explica o professor e investigador da Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT Nova), Telmo Santos.  

A equipa que está a trabalhar na iniciativa do departamento de Engenharia Mecânica e Industrial e do FCT Fablab também está responsável por gerir os pedidos dos hospitais e pela logística de distribuição.

Além dos hospitais de Santa Maria, em Lisboa, Cascais, Garcia de Orta, em Almada, e Vila Franca de Xira, a faculdade também já recebem pedidos de um grupo de enfermeiros que está a distribuir materiais e artigos de proteção para os profissionais de saúde em vários hospitais do Barreiro, Setúbal e Montijo.

Esta linha de montagem é uma das várias iniciativas que a FCT Nova tem lançado para prestar apoio em diferentes frentes durante a pandemia da Covid-19.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas