Covid-19: GSK doa 10 milhões de dólares à Organização Mundial de Saúde para ajudar a combater pandemia
DATA
30/03/2020 12:24:22
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Covid-19: GSK doa 10 milhões de dólares à Organização Mundial de Saúde para ajudar a combater pandemia

A GSK está a acompanhar de perto a emergência de saúde pública mundial criada com a pandemia Covid-19 e a mover todos os esforços, global e localmente, para ajudar a combater o novo coronavírus.

“Desde o primeiro minuto que a GSK está empenhada em identificar possibilidades de colaboração, disponibilizando a sua ciência e know-how técnico, ao mesmo tempo que procurar garantir a saúde e segurança dos mais de 100 mil colaboradores em todo o mundo e continua a assegurar que o fornecimento dos seus produtos ao mercado acontece de forma regular”, afirma a GSK, em comunicado enviado à redações.

“Estamos altamente comprometidos em apoiar a resposta global à pandemia do novo coronavírus. Através da nossa ciência e tecnologia, estamos a ajudar a desenvolver novas vacinas e medicamentos para prevenir e tratar a COVID-19. Estou muito orgulhosa dos milhares de colaboradores da GSK que continuam a trabalhar intensamente para garantir que continuamos a disponibilizar os nossos medicamentos e vacinas a quem mais precisa. Nesta hora, também quero deixar uma palavra de agradecimento e reconhecimento aos profissionais de saúde que estão na linha da frente do combate a esta pandemia. Acredito, convictamente, que é essencial acelerar as sinergias e colaborações entre a comunidade científica, a indústria, as autoridades, os governos e os profissionais de saúde, para conseguirmos ultrapassar este momento difícil”, considera a CEO da GSK, Emma Walmsley.

Enquanto organização, a GSK, está a responder a este desafio com a disponibilização da sua experiência técnica e conhecimento científico numa das áreas de maior impacto: no processo de descoberta de uma vacina. O ponto de partida foi a formalização de uma colaboração com o CEPI (Coalition for Epidemic Preparedness Innovations) para disponibilizar a tecnologia adjuvante da companhia aos cientistas que estão a investigar vacinas candidatas para a prevenção do Covid-19.

No âmbito desse acordo, a primeira instituição com quem foi estabelecida uma parceria foi a Universidade de Queensland, na Austrália. Recentemente, foi anunciada uma nova colaboração, com a Clover Biofarmaceuticals, empresa sedeada na China, para fornecer a tecnologia adjuvante para apoiar o seu programa de investigação de vacinas. Desde então, o número de colaborações tem vindo a aumentar e, atualmente, estão em curso cinco projetos com empresas parceiras e grupos de investigação em todo o mundo.

Os primeiros ensaios pré-clínicos, de uma das parcerias, já concluíram relativamente aos benefícios da tecnologia adjuvante e aguarda-se que as restantes iniciativas apresentem os seus dados, algo que deve acontecer nos próximos três meses. Essa informação será fundamental para decidir os próximos passos do desenvolvimento clínico das vacinas candidatas.

Paralelamente, a GSK associou-se ao “COVID-19 Therapeutics Accelerator”, uma plataforma colaborativa que junta representantes da indústria e da academia, para investigar possíveis alternativas terapêuticas para os doentes infetados com o novo coronavírus. A expetativa relativamente a este projeto é grande e são esperadas notícias positivas com a maior brevidade.

Ainda no âmbito do compromisso global de resposta a esta emergência de saúde pública, a GSK decidiu doar dez milhões de dólares ao “COVID-19 Solidarity Response Fund”, das Nações Unidas e da Organização Mundial de Saúde, para apoiar a prevenção, diagnóstico e tratamento da pandemia. Entre as ações previstas estão a distribuição de material e produtos essenciais, como equipamento de proteção individual para os profissionais de saúde que estão na linha da frente.

Por último, a GSK também iniciou um processo interno de voluntariado, em todo o mundo, a apelar aos seus colaboradores que tenham formação e experiência na área médica para se disponibilizarem a ajudar, localmente, no combate a esta pandemia, ao lado dos profissionais de saúde.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas