Covid-19: APDP alerta diabéticos representam 9% dos mortos
DATA
01/04/2020 14:55:53
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Covid-19: APDP alerta diabéticos representam 9% dos mortos

Os doentes da diabetes são um grupo de risco, representando “mais de 9% das pessoas falecidas com Covid-19”, mas não têm mais probabilidades de ser infetados pelo novo coronavírus, alertou hoje a Associação Protetora dos Diabéticos Portugueses (APDP).

A informação foi avançada hoje pelo presidente da APDP, José Manuel Boavida, durante a conferência de imprensa de atualização sobre a infeção pelo novo coronavírus, que já infetou mais de oito mil pessoas em Portugal.

Segundo José Manuel Boavida, “não há qualquer evidência que as pessoas com a diabetes sejam mais atreitas a ser infetadas pelo coronavírus”.

Também “não existe evidência de diferença entre os vários tipos de diabetes – tipo I e II” e, se a doença estiver “bem compensada, o risco é o mesmo da população em geral”, sublinhou o presidente da APDP.

No entanto, é preciso prevenir. Estes doentes são um “grupo de maior risco, com um aumento de mortalidade, atingindo mais de 9% das pessoas falecidas com Covid-19”, alertou.

Por isso, José Manuel Boavida deixou algumas recomendações, tais como controlar a diabetes para se conseguir melhores prognósticos e valorizar a necessidade da proteção especial dos doentes crónicos.

Sobre a proteção destes doentes, o presidente da APDP lembrou que se deve optar sempre pelo teletrabalho ou então pelo "trabalho em condições de segurança". O distanciamento social, em especial para as pessoas com mais de 60 anos, foi outro dos conselhos.

O secretário de estado da Saúde, António Lacerda Sales, lembrou por seu turno que a diabetes afeta mais de dois milhões de portugueses que neste momento “estão mais vulneráveis” e “precisam de uma resposta diferenciadora, que associações como a APDP tem conseguido dar”.

O presidente da APDP acrescentou que entre doentes e familiares, a diabetes atinge “mais de um terço da população portuguesa”.

Deixar cair com violência o que é desnecessário e aproveitar a oportunidade
Editorial | Rui Nogueira, presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
Deixar cair com violência o que é desnecessário e aproveitar a oportunidade

Assaltar o desnecessário. Rasgar a burocracia. Rejeitar o desperdício. Anular a perda de tempo. As aprendizagens da pandemia serão uma ótima oportunidade para acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência e o estado de calamidade ensinaram-nos muito! É necessário desconfinar o centro de saúde e reinventar o conceito com unidades de saúde aprendentes e inovadoras.

Mais lidas