Covid-19: Receio da contaminação aumenta e é já assumido como a maior preocupação por 33,3% dos portugueses
DATA
13/04/2020 10:06:22
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Covid-19: Receio da contaminação aumenta e é já assumido como a maior preocupação por 33,3% dos portugueses

O Barómetro de Opinião Covid-19 da Marktest que tem por objetivo acompanhar as opiniões e os comportamentos dos portugueses face a este momento que o país e o mundo atravessam ao longo das próximas semanas.

Tendo em conta a sondagem os portugueses não têm qualquer dúvida: a pandemia Covid-19 é uma ameaça real que o mundo está a enfrentar.

De acordo com os resultados da sondagem – 3ª edição, 19% dos portugueses conhecem alguém que já foi contaminado pelo Covid-19. Este valor assume particular relevância junto da população residente na região do Gr. Porto, ao atingir os 27%. Mantém-se assim o TOP 3 dos receios dos portugueses - ser contaminado, a falência do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e da Economia Nacional.

Na semana, em que o estado de emergência, foi decretado por mais 15 dias, verificou-se que o Índice de Receio em ser contaminado aumentou, e é superior na população feminina, face à masculina.

O confinamento que o estado de emergência exige leva, no entanto, a uma estabilização do Índice de Probabilidade de Contaminação. Todavia, verifica-se que mais uma vez a população feminina considera como mais provável a contaminação do que a população masculina.

A presente sondagem foi realizada pela Marktest, através de CAWI (Computer Assisted Web Intereview), junto de uma amostra de 505 inquiridos, com mais de 18 anos, residentes em Portugal Continental. Os resultados do estudo foram ponderados e extrapolados para o universo em estudo (8.250.000).

A recolha da informação decorreu entre os dias 30 de março 1 de abril de 2020. A seleção dos entrevistados, fez-se com recurso ao Access Panel da Marktest.

DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Depois de três meses de confinamento é necessário aceitarmos a prudência de DES”confinar sem DISconfinar. Não vamos querer “morrer na praia”! As aprendizagens da pandemia Covid-19 são uma ótima oportunidade para acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência e o estado de calamidade ensinaram-nos muito! É necessário desconfinar o centro de saúde com uma nova visão e reinventar o conceito com unidades de saúde aprendentes e inovadoras.

Mais lidas