Diversidade genética da bactéria que causa tuberculose influencia manifestação da doença
DATA
24/04/2020 16:13:50
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Diversidade genética da bactéria que causa tuberculose influencia manifestação da doença

Uma equipa internacional, liderada por investigadores do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde da Universidade do Porto (i3S), concluiu que a diversidade genética da bactéria que provoca a tuberculose pode influenciar a forma como a doença se manifesta.

O i3S adiantou hoje que o estudo, publicado na revista Nature Communications, revelou que a diversidade genética da bactéria que causa a tuberculose – ‘Mycobacterium tuberculosis’ – “é mais importante do que o inicialmente previsto e, por isso, um fator a ter em conta em toda a investigação sobre tuberculose e numa futura vacina”.

Em comunicado, o instituto da Universidade do Porto salienta: “A diversidade genética da bactéria ‘Mycobacterium tuberculosis’ é bastante limitada, por isso durante muito tempo pensou-se que não teria relevância funcional. Os investigadores mostram neste estudo que isso não é verdade”.

Estes resultados surgem pós os investigadores terem analisado 813 doentes com tuberculose do Centro Hospitalar Universitário de São João e os terem dividido em três grupos distintos: tuberculose ligeira, moderada e severa.

Depois desta separação, o grupo decidiu focar-se nos indivíduos que tiveram tuberculose sem outras doenças associadas, “o que reduziu o grupo a 190”.

O instituto explica que os investigadores “analisaram geneticamente as bactérias destes indivíduos e verificaram que, apesar das diferenças serem pequenas, as mutações existiam”, adiantando que, em doentes com formas de tuberculose mais severas, a bactéria “consegue espaçar à vigilância dos macrófagos”, ou seja, as primeiras células que alertam o organismo da presença de um agente infeccioso.

“A resposta imunológica inicial não funciona no seu potencial máximo, o que pode explicar o subsequente desenvolvimento de tuberculoses mais severas”, avança o i3S.

A líder do grupo de investigação, Margarida Saraiva, citada no comunicado, esclarece que os resultados agora publicados são o reflexo de “sete anos de trabalho” de uma equipa composta por biólogos, bioinformáticos, microbiologistas, geneticistas e clínicos, o que permitiu “abordar o tema de forma complexa e holística”.

“O que nós descobrirmos é que diferentes ‘Mycobacterium tuberculosis’, mesmo que geneticamente muito semelhantes, diferem na sua capacidade de estimular os macrófagos. Em particular, as bactérias isoladas de doentes com formas severas de tuberculose apresentam a capacidade de ‘escapar’ aos mecanismos que os macrófagos possuem para alertar o organismo da presença de um agente infeccioso”, salienta.

Acrescenta que a descoberta é “particularmente importante para a investigação na área da tuberculose”, tendo por isso de ser “incorporada em toda a investigação laboratorial”.

“Quando falamos em vacinação temos também de ter em conta essa variedade genética da bactéria que causa a tuberculose”, conclui.

#sejamestrelas
Editorial | António Luz Pereira
#sejamestrelas

Ciclicamente as capas dos jornais são preenchidas com o número de novos médicos. Por instantes todos prestam atenção aos números. Sim, para muitos são apenas números. Para nós, são colegas que se decidiram pelo compromisso com os utentes nas mais diversas áreas. Por isso, queremos deixar a todos, mas especialmente aqueles que abraçaram este ano a melhor especialidade do Mundo uma mensagem: “Sejam Estrelas”.

Mais lidas