Covid-19: Pandemia leva a interrupção da reabilitação dos sobreviventes de AVC
DATA
05/05/2020 18:20:41
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Covid-19: Pandemia leva a interrupção da reabilitação dos sobreviventes de AVC

A maioria das vítimas de acidente vascular cerebral (AVC) teve de interromper os tratamentos de reabilitação, durante a pandemia da Covid-19, denunciou esta terça-feira a Portugal AVC – União de Sobreviventes, Familiares e Amigos. A associação alerta para as consequências no prognóstico funcional dos doentes.

Segundo os resultados de um inquérito divulgado pela Portugal AVC, 91% dos doentes com indicação para cuidados de reabilitação entre os dias 20 e 27 de abril afirmaram ter sido obrigados a interromper os tratamentos ou não ter tido possibilidade de os iniciar.

A maioria (66%) dos 868 doentes inquiridos entre o referido período denunciou também o adiamento das consultas, sem possibilidade de as ter remotamente, através de teleconsulta, uma alternativa utilizada por apenas 19% dos inquiridos, e apenas 15% pode manter as consultas de seguimento de forma habitual.

Além das consultas, também os exames de 48% dos sobreviventes foram adiados ou cancelados durante este período.

A Portugal AVC, face aos dados obtidos, alerta que a interrupção dos cuidados de reabilitação prestados às pessoas afetadas por AVC pode ter consequências graves na recuperação dos doentes e levar a um agravamento do seu estado de saúde.

Em comunicado, a associação adianta que “existe múltipla evidência científica que o atraso do programa de reabilitação individualizado e multidisciplinar leva a um agravamento do prognóstico funcional, conduzindo a uma pior integração e menor qualidade de vida, como o que se verificou durante este período”.

Os resultados revelam também que cerca de um terço dos inquiridos admite sentir-se pior ou muito pior, em comparação com o seu estado geral de saúde.

No caso dos pacientes que habitualmente beneficiavam de cuidados de reabilitação, são 44% aqueles que referem este agravamento e 50% entre os que sofreram AVC há menos de um ano.

Por outro lado, a maioria dos inquiridos (58%) referiu sentir-se mais nervosa e ansiosa nesta fase, expressando preocupação com um possível agravamento da dificuldade na movimentação e comunicação e com o risco de ter um novo AVC.

“Na fase atual, em que se desenham as estratégias para retorno ao funcionamento prévio de serviços de saúde, é imperativo o investimento na expansão, readaptação e reorganização dos cuidados de reabilitação do AVC em Portugal, tanto a nível hospitalar bem como extra-hospitalar”, destaca a associação.

Neste sentido, a Portugal AVC apela a um trabalho coordenado entre as diversas entidades envolvidas nos cuidados de reabilitação, defendendo que a questão seja considerada como prioritária, de forma a evitar “as graves consequências secundárias ao tratamento inadequado do AVC”, um problema que consideram não poder ser marginalizado em favor da Covid-19.  

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas