Especialistas defendem abordagem conjunta da MGF e da Dermatologia no tratamento da psoríase
DATA
22/05/2020 10:48:45
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Especialistas defendem abordagem conjunta da MGF e da Dermatologia no tratamento da psoríase

A abordagem conjunta da Medicina Geral e Familiar (MGF) e da Dermatologia, no tratamento do doente com psoríase é “fundamental”. Esta foi uma das ideias defendidas pelos três especialistas que participaram, esta quinta-feira, num webinar promovido pelo Jornal Médico.

A conversa na web contou com os especialistas em Dermatologia Tiago Torres e Paulo Ferreira, e o especialista em MGF Rui Cernadas, que, em conjunto, identificaram a importância da abordagem e gestão partilhada dos doentes psoriáticos, bem como os desafios que se colocam e as estratégias que podem ser implementadas para melhorar a articulação entre as áreas e o tratamento da doença.

Foi também neste âmbito que, recentemente, um conjunto de especialistas em Dermatologia e em MGF desenvolveu um algoritmo de referenciação e gestão partilhada do doente psoriático.

Tiago Torres é um dos autores desse algoritmo, descrevendo-o como sendo “fácil de usar no dia a dia, tocando desde a parte do diagnóstico, a avaliação da gravidade, qual o doente que deve ser tratado, como trata-lo, o rastreio da artrite psoriática, toda a questão das comorbilidades e ainda o doente grave, medicado, que se dirige à consulta de MGF”.

“Não há dúvida que o doente psoriático deve ser abordado e gerido em conjunto pela MGF e pela Dermatologia”, aponta, referindo o papel assumido pelos médicos de família, no tratamento das formas ligeiras, na identificação de casos graves e referenciação à dermatologia, na investigação, monitorização e tratamento das comorbilidades cardiometabólicas e da prevenção da doença cardiovascular; no rastreio da artrite psoriática, e no que concerne ao diagnóstico e tratamento, ou referenciação, dos efeitos secundários das terapêuticas.

Defende ainda que “70% dos doentes, na fase inicial, poderão ser tratados e controlados na MGF”.

Rui Cernadas, que também participou no estudo apresentado, sublinhou o facto de a Organização Mundial de Saúde apresentar, anualmente, estudos sobre a carga global das doenças de pele, que demonstra que estão entre as cinco maiores causas de morbilidade, para os clínicos gerais, alertando para o facto de terem de ser identificados e tratados.

“Isto significa que, no seu conjunto, as doenças dermatológicas constituem um problema de saúde importante, junto da MGF”, frisou.

Estimando que o número de doentes psoriáticos, em Portugal, ronda os 250 mil e que existem seis mil médicos de família, Rui Cernadas fez uma conta simples: cada médico de família terá, em média, 40 a 50 doentes com psoríase.

No entanto, outra perspetiva partilhada no webinar indica que, a par do subtratamento, há um subdiagnóstico da doença.

Neste ponto, Paulo Ferreira, frisa que “só à volta de 100 a 120 mil doentes estão em acompanhamento médico e, destes, a grande maioria está subdiagnosticada e subtratada”.

Vergonha, preconceito, desconhecimento e problemas de acesso à consulta são apontados como alguns dos fatores que levam a que muitos doentes não mencionem os seus problemas de pele, o que levanta um desafio aos médicos: serem “proativos, assertivos e eficientes” a levar esses doentes para o seu âmbito.

“[Dessa forma] Conseguiríamos que a fração de formas ligeira e moderada fosse ainda maior, porque se identificaria a doença em estados iniciais, e o prognóstico, as vantagens, outcomes – quer para o médico, para o doente e para o SNS – seriam mais valias, a longo prazo. Portanto, na gestão da política de saúde, [é necessário] ir buscar estes doentes que não estão diagnosticados”, apontou.

Além da colaboração entre o médico e o doente – que tem de ser visto como “um protagonista” –, é indicada a atuação da MGF e da enfermagem, por se considerar premente alertar os utentes para os fatores desencadeantes da doença, informando-os sobre fatores de risco como o excesso de peso e o tabagismo, mas também para verificar o histórico familiar.

Noa próxima quinta-feira, dia 28 de maio, às 21:00, haverá um segundo webinar dedicado à Dermatologia, promovido pelo Jornal Médico, com o apoio da LEO Pharma, que terá como tema dermatite atópica e eczemas, contando com a participação do especialista em Dermatologia Pedro Mendes Bastos.

Deixar cair com violência o que é desnecessário e aproveitar a oportunidade
Editorial | Rui Nogueira, presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
Deixar cair com violência o que é desnecessário e aproveitar a oportunidade

Assaltar o desnecessário. Rasgar a burocracia. Rejeitar o desperdício. Anular a perda de tempo. As aprendizagens da pandemia serão uma ótima oportunidade para acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência e o estado de calamidade ensinaram-nos muito! É necessário desconfinar o centro de saúde e reinventar o conceito com unidades de saúde aprendentes e inovadoras.

Mais lidas